RMMG - Revista Médica de Minas Gerais

Volume: 25. 1 DOI: http://www.dx.doi.org/10.5935/2238-3182.20150016

Voltar ao Sumário

Artigos de Revisao

Resposta materno-fetal resultante da prática de exercício físico durante a gravidez: uma revisao sistemática

Maternal-fetal response resulting from the practice of physical exercise during pregnancy: a systematic review

Elizabeth Portugal Pimenta Velloso1; Zilma Silveira Nogueira Reis2; Maria Luiza Kfoury Pereira3; Alamanda Kfoury Pereira4

1. Fisioterapeuta. Pós-Doutoranda em Ciências Biológicas. Professora do curso de Fisioterapia na Universidade de Itaúna. Itaúna, MG - Brasil
2. Médica. Pós-Doutora em Informática Médica. Professora Adjunta do Departamento de Ginecologia e Obstetrícia da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Belo Horizonte, MG - Brasil
3. Educadora Física. Secretaria Municipal de Belo Horizonte. Belo Horizonte, MG - Brasil
4. Médica. Doutora em Medicina. Professora Associada do Departamento de Ginecologia e Obstetrícia da Faculdade de Medicina da UFMG. Belo Horizonte, MG - Brasil

Endereço para correspondência

Alamanda Kfoury Pereira
E-mail: alamanda.k@gmail.com

Recebido em: 18/11/2011
Aprovado em: 26/04/2014

Instituição: Centro de Medicina Fetal da Faculdade de Medicina da UFMG Belo Horizonte, MG - Brasil

Resumo

INTRODUÇÃO: a gravidez determina modificações adaptativas locais e sistêmicas, com o objetivo principal de promover o crescimento e o desenvolvimento fetal. Essas adaptações são fisiológicas e ocorrem em reação à presença do concepto e seus tecidos, modulados pela ação crescente de vários hormônios trofoblásticos/placentários, fetais e maternos. A despeito dessas adaptações fisiológicas, as grávidas beneficiam-se do exercício físico regular. Entretanto, ainda existem controvérsias tanto em relação à realização do exercício físico regular na gestação quanto ao risco fetal imposto pelos exercícios.
OBJETIVOS: realizar pesquisa bibliográfica sobre as alterações fisiológicas e exercícios físicos na gravidez bem como a resposta fetal aos seus efeitos.
METODOLOGIA: revisão sistematizada abordando as alterações fisiológicas e exercícios físicos na gravidez, desde a década de 80 até os dias atuais.
RESULTADOS: houve significativo aumento da FC (frequência cardíaca) fetal após o protocolo de exercícios sem ocorrer sofrimento fetal (SF). Porém, quando a FC materna ultrapassou os 140 bpm houve SF.
CONCLUSÃO: a prática de exercícios físicos na intensidade moderada (até 140 bpm de FC materna) parece benéfica para a mãe e o feto em gestações não complicadas.

Palavras-chave: Gestantes; Tolerância ao Exercício; Sistema Cardiovascular; Feto.

 

INTRODUÇÃO

A gravidez determina modificações adaptativas locais e sistêmicas, com o objetivo principal de promover o crescimento e desenvolvimento fetal.1 Essas adaptações são fisiológicas e ocorrem em reação à presença do concepto e seus tecidos, modulados pela ação crescente de vários hormônios trofoblásticos/placentários, fetais e maternos, fatores imunológicos, bem como pela ação mecânica exercida pelo útero gravídico.2;3

A despeito dessas adaptações fisiológicas, as grávidas e as não grávidas beneficiam-se da atividade física regular.4 Entretanto, substancial proporção das gestantes interrompe a prática das atividades físicas regulares bem como reduz o nível de atividades de vida diárias (AVDs) quando descobrem que estão grávidas.5 Por outro lado, a adoção da prática de exercícios físicos regulares antes da gestação ou mesmo no período pré-natal pode prevenir o desenvolvimento de algumas doenças como a hipertensão arterial sistêmica (HAS), obesidade materna, diabetes gestacional e pré-eclâmpsia, entre outras.4,6,7

Este artigo objetiva avaliar o conhecimento atual sobre as alterações fisiológicas da gravidez, as recomendações e diretrizes da prática de exercícios regulares e suas consequências no feto e no ciclo gravídico.

 

METODOLOGIA

Foi realizada revisão sistematizada sobre as alterações fisiológicas e exercícios físicos na gravidez. A pesquisa incluiu os artigos publicados na base de dados do MEDLINE e Colaboração COCHRANE, em periódicos desde a década de 80 até os dias atuais. Foram utilizados os seguintes termos: gestante, tolerância ao exercício, sistema cardiovascular e feto.

Alterações fisiológicas da gravidez

A gravidez determina alterações especiais na mulher em decorrência das necessidades calóricas, proteicas, minerais e vitamínicas impostas pelo feto. Podem-se destacar as seguintes adaptações metabólicas e cardiovasculares, que vão influenciar na resposta da gestante ao exercício físico: aumento do volume sanguíneo em 40-50%, aumento do débito cardíaco em repouso bem como durante o exercício submáximo nos dois primeiros trimestres.8 Para compensar o aumento do débito cardíaco (DC), a frequência cardíaca (FC) aumenta em 15 batimentos. A vasodilatação periférica ocorre desde o início do segundo trimestre. Os vasos placentários e periféricos tornam-se refratários a agentes pressores, resultando em tendência à hipotensão.8 No terceiro trimestre, o débito cardíaco é menor e a possibilidade de hipotensão arterial é maior. A queda do DC ocorre também em função do crescimento do útero, que comprime a veia cava inferior quando em decúbito dorsal, o que dificulta o retorno venoso e reduz o DC.

Observa-se, clinicamente, que o sistema cardiovascular da gestante caracteriza-se por "estado hipercinético".9 Do ponto de vista metabólico, há aumento ponderal decorrente do crescimento do útero e seu conteúdo (feto, placenta, líquido amniótico), mamas, volume sanguíneo e do líquido extravascular e intracelular.10 Há tendência à retenção de água e sódio, mediada pela diminuição da osmolaridade plasmática, aumento no ritmo de filtração glomerular e da ação hormonal, o que favorece o aparecimento de edema de membros inferiores.10 As necessidades de proteínas, carboidratos e lípides aumentam cerca de 30%, para atender às crescentes demandas do feto e para a formação de reservas nos tecidos maternos.11 As necessidades de ferro, ácido fólico e cálcio aumentam e são compensadas, em parte, por aumento na capacidade de reabsorção renal desses nutrientes11. Ocorrem, ainda: relaxamento dos ligamentos em decorrência da embebição gravídica, em especial os ligamentos da pelve;12 aumento da vascularização (estrogênios); e redução do tônus dos músculos responsáveis pela estabilização dessas articulações pela ação da progesterona e relaxina12. Essas alterações envolvem, portanto, vários sistemas e objetivam atender ao aumento das demandas metabólicas e nutricionais do feto (Figura 1).

 


Figura 1 - Principais alterações fisiológicas associadas à gravidez. Legenda: DC = débito cardíaco; FC = frequência cardíaca; RVPT = resistência periférica total; FR = frequência respiratória; VC = volume corrente.

 

Prática de exercícios físicos na gravidez

A prática de atividade física regular deixou de ser um procedimento estético para representar recurso amplamente utilizado por todas as especialidades médicas, para prevenção de doenças, promoção de saúde, bem como coadjuvante terapêutico no controle de doenças.13

Até há poucas décadas, as grávidas eram aconselhadas a reduzir as suas atividades físicas e ocupacionais, principalmente ao final da gravidez.14 Entretanto, a partir da última década, observaram-se várias evidências sobre benefícios da prática de exercícios físicos em grávidas com gestação saudável, especialmente: melhora da capacidade física, efeito coadjuvante no controle do peso corporal, manutenção da massa magra, prevenção da trombose, melhora do retorno venoso, redução da incidência de diabetes gestacional e efetiva contribuição para facilitar o mecanismo do trabalho de parto normal.13,15 (Figura 2).

 


Figura 2 - Principais efeitos do exercício físico na gravidez. Legenda: NO: óxido nítrico; PGI2: prostaciclina; Ang II: angiotensina II; ET-1: endotelina-1; IL-6: interleucina-6; TNFα: fator de necrose tumoral alfa; TG: triglicérides, CT: colesterol total; O2 --: espécies reativas de oxigênio.

 

Cabe ao obstetra e ao fisioterapeuta, quanto à indicação da atividade física regular durante a gravidez, conhecer os mecanismos fisiopatológicos envolvidos nessa prática para a mãe e o feto, visando à orientação adequada, e de maneira individualizada, o tipo, a frequência e a intensidade e o momento ideal para a prática de exercício físico. Os principais efeitos dos exercícios aeróbicos de moderada intensidade, durante a gravidez, são: aumento do débito cardíaco, redução e redistribuição do fluxo sanguíneo, aumento de 10 a 20% no consumo de O2, aumento do volume sanguíneo e da frequência cardíaca e redução da resistência periférica e da pressão arterial.15 Os batimentos cardíacos fetais ficam aumentados de 10-30 batimentos/minuto (bpm) e retornam aos níveis basais aproximadamente cinco minutos após o término da realização dos exercícios aeróbicos de moderada intensidade. O incremento do DC significa que o aumento do fluxo sanguíneo ao músculo em exercício pode ocorrer sem comprometer o fluxo uterino.16 Entretanto, não é recomendada a prática de exercícios de alta intensidade, ou seja, acima de 80% da frequência cardíaca máxima (FCmáx), pois podem acarretar aumento da FC por, aproximadamente, 30 minutos, o que pode resultar em hipóxia fetal.17 Sendo assim, exercícios extenuantes e prolongados devem ser evitados, mesmo sabendo que o feto saudável pode tolerar períodos de asfixia com taquicardia e aumento da pressão arterial, pois parece haver mecanismo protetor que provoca a circulação de volume maior de sangue, aumentando a produção de O2 e diminuindo a de gás carbônico.18,19 Além disso, exercícios físicos de alta intensidade podem resultar em aumento de 20 a 30% do risco de parto prematuro, diminuição do crescimento e baixo peso do feto.17

Os exercícios aeróbicos devem incluir atividades de execução confortável para a gestante que trabalhem grandes grupos musculares, de forma contínua e rítmica, e melhorem o seu estado cardiorrespiratório. Embora não haja protocolo padronizado de exercícios específicos ao período gestacional, as atividades mais recomendadas são: caminhada, pedalada em bicicleta ergométrica, hidroginástica e natação, pois, além da facilidade em quantificar intensidade e tempo, não há dúvida de que sejam saudáveis ao ciclo gestacional, se realizadas ao menos três vezes por semana com duração de, no máximo, 60 minutos.20

As grávidas que eram sedentárias antes da gravidez devem começar a se exercitar no segundo trimestre da gravidez e, de forma gradual, aumentar os exercícios aeróbicos de intensidade moderada até atingirem o tempo de 30 min de atividade contínua.20 De acordo com Longo e Zavorsky (2011), a intensidade do exercício deve ser de 60% da FC de reserva, sendo que a FC materna deve ser seguida por faixa etária. No entanto, deve-se evitar a ultrapassagem da FC materna de 140 bpm.21

Em relação à escala de BORG, esta deve ficar entre 12 e 14 e o gasto calórico deve ser de 16 equivalentes-metabólicos (METS)/semana, o que corresponde à caminhada de 3,2 km/h em 6,5 horas por semana, por exemplo.

Complementando o trabalho aeróbico, o programa de atividade física para gestantes deve incluir exercícios que promovam a resistência e a flexibilidade musculoesquelética que visam ao equilíbrio da musculatura dorsolombar, abdominal e a do assoalho pélvico que estão, em geral, encurtados pela postura gravídica.7 Nesse sentido, exercícios de resistência muscular com oito a 10 exercícios, envolvendo grandes grupos musculares de membras inferiores e superiores, com três séries de 10-12 repetições com resistência de até 3 kg devem ser incluídos para gestantes pelo menos três vezes por semana.22 Dessa forma, as incômodas lombalgias oriundas das alterações físicas e fisiológicas típicas da gravidez são atenuadas, proporcionando melhora da postura.

Por outro lado, algumas modalidades de exercícios tais como levantamento de pesos, saltos, flexões e extensões de tronco de mais amplitude de movimento, atividades físicas de contato e que levem ao desequilíbrio fácil e possível trauma fetal devem ser evitadas pelas gestantes.21 Da mesma forma, exercícios realizados na postura supina, com duração acima de 30 min, após a 16ª semana de gestação podem resultar em redução do DC e hipotensão sintomática devido à compressão da veia cava.21 Essas restrições são impostas pelas modificações da biomecânica corporal da gestante e as decorrentes instabilidades em sua cadeia cinética musculoesquelética. Assim, as principais alterações que ocorrem na gestante são o abdome protuso, expansão da caixa torácica, ascensão do diafragma, marcha gingada, hiperlordose lombar e as alterações provenientes do desvio do centro de gravidade, perda de equilíbrio, projeção dos ombros para frente, menos estabilidade das articulações de joelhos e tornozelos, aumento do peso corporal, aumento das mamas, tensão na coluna vertebral e quadril, aumento da pressão sobre a musculatura do assoalho pélvico e compressões nervosas.21

Em relação à resposta fetal aos efeitos dos exercícios, parece que os fetos das gestantes que praticam exercícios físicos de forma regular com intensidade moderada toleram melhor o trabalho de parto do que os de gestantes sedentárias23 (Tabela 1).

 

 

CONCLUSÕES

Os estudos alcançados por esta revisão revelam a necessidade de novas avaliações com casuísticas maiores, baseadas em ensaios clínicos com randomização dos grupos de estudo avaliando-se desfechos materno-fetais bem definidos, para que as recomendações específicas em relação à prática de exercícios físicos em gestantes adquiram nível de recomendação baseado em elevado grau de evidência. A avaliação de treinamentos associando-se atividade aeróbica e de resistência, em dias alternados e com intensidade moderada, parece ser benéfica para a mãe e o feto em gestações não complicadas.

 

REFERÊNCIAS

1. Clapp JF III. Exercise in pregnancy: a brief clinical review. Fetal Med Rev. 1990;161:1464-9.

2. Artal R, Platt LD, Sperling M, Kammula RK, Jilek J, Nakamura R. Maternal cardiovascular and metabolic response in normal pregnancy. Am J Obstet Gynecol. 1981;140:123-7.

3. Melzer K, Schutz Y, Boulvain M, Kayser B. Physical activity and pregnancy: cardiovascular adaptations, recommendations and pregnancy outcomes. Sports Med. 2010;40(6):493-507.

4. Wolfe LA, Weissgerber TL. Clinical physiology of exercise in pregnancy: a literature review. J Obstet Gynaecol Can. 2003;25(6):473-83.

5. Zhang J, Savitz DA. Exercise during pregnancy among US women. Ann Epidemiol. 1996;6(1):53-9.

6. Pivaranik JM. Cardiovascular responses to aerobic exercise during pregnancy and postpartum. Semin Perinatol. 1996;20:242-9.

7. Zavorsky GS, Longo LD. Exercise guidelines in pregnancy: new perspectives. Sports Med. 2011; 41(5):345-60.

8. 8- Clapp JF III, Seaward BL, Sleamaker RH, Hiser J. Maternal cardiovascular and metabolic response in normal pregnancy. Am J Obstet Gynecol. 1988;159:1456-60.

9. Clark SL, Cotton DB, Pivarnik JM, Lee W, Hankins GD, Benedetti TJ, Phelan JP. Position change and central hemodynamic profile during normal third-trimester pregnancy and post partum. Am J Obstet Gynecol. 1991;164(3):883-7.

10. Carlin A, Alfirevic Z. Physiological changes of pregnancy and monitoring. Best Pract Res Clin Obstet Gynaecol. 2008;22(5):801-23.

11. Duvekot JJ, Peeters LL. Renal hemodynamics and volume homeostasis in pregnancy. Obstet Gynecol Surv. 1994;49(12):830-9.

12. Calguneri M, Bird HA, Wright V. Changes in joint laxity occurring during pregnancy. Ann Rheum Dis. 1982;41:126-8.

13. Melzer K, Kayser B, Pichard C. Physical activity: the health benefits outweigh the risks. Curr Opin Clin Nutr Metab Care. 2004;7(6):641-7.

14. Artal R, Toole MO. Guidelines of the American College of Obstetricians and Gynecologists for exercise during pregnancy and the postpartum period. Br J Sports. 2003;37:6-12.

15. Gaston A, Cramp A. Exercise during pregnancy: a review of patterns and determinants. J Sci Med Sport. 2011;14(4):299-305.

16. Rafla NM, Cook JR. The effect of maternal exercise on fetal heart rate. J Obstet Gynaecol. 1999;19(4):3814.

17. World Health Organization-WHO. Maternal anthropometry and pregnancy outcomes: a WHO collaborative study. Bull World Health Org. 1995;73:1-98.

18. Lokey EA, Tran ZV, Wells CL, Myers BC, Tran AC. Effects of physical exercise on pregnancy outcomes: a meta-analytic review. Med Sci Sports Exerc. 1991;23(11):1234-9.

19. Collings CMS, Curet LB, Mullin JP. Maternal and fetal responses to a maternal aerobic exercise program. Am J Obstet Gynecol. 1983;145:702-7.

20. American College of Sports Medicine. Guidelines for exercise testing and prescription.6th ed. Philadelphia: Lippincott Williams & Williams; 2000.

21. Committee on Obstetric Practice. American College of Obstetricians and Gynecologists ACOG committee opinion. Exercise during pregnancy and the postpartum period. Int J Gynaecol Obstet. 2002;77(1):79-81.

22. Barakat R, Lucia A, Ruiz JR. Resistance exercise training during pregnancy and newborn's birth size: a randomised controlled trial. Int J Obes. 2009;33(9):1048-57.

23. Paisley TS, Joy EA, Price RJ Jr. Exercise during pregnancy: a practical approach. Curr Sports Med Rep. 2003;2(6):325-30.

24. Clapp JF 3rd. Fetal heart rate response to running in midpregnancy and late pregnancy. Am J Obstet Gynecol. 1985 Oct 1;153(3):251-2.

25. Watson WJ, Katz VL, Hackney AC, Gall MM, McMurray RG. Fetal responses to maximal swimming and cycling exercise during pregnancy. Obstet Gynecol. 1991;77(3):382-6.

26. Sasaki J, Nabeshima Y, Inaba J, Mesaki N. Fetal heart rate monitoring during maternal swimming. Nihon Sanka Fujinka Gakkai Zasshi; 1993:45(2):93-8.

27. Asai M, Saegusa S, Yamada A, Suzuki M, Noguchi M, Niwa S, Nakanishi M. Effect of exercise in water on maternal blood circulation. Nihon Sanka Fujinka Gakkai Zasshi. 1994;46(2):109-14.

28. Asakura H, Nakai A, Yamaguchi M, Koshino T, Araki T Ultrasonographic blood flow velocimetry in maternal and umbilical arteries during maternal exercise]. Nihon Sanka Fujinka Gakkai Zasshi. 1994;46(4):308-14.

29. Manders MA, Sonder GJ, Mulder EJ, Visser GH. The effects of maternal exercise on fetal heart rate and movement patterns. Early Hum Dev. 1997;48(3):237-47.

30. Brenner IK, Wolfe LA, Monga M, McGrath MJ. Physical conditioning effects on fetal heart rate responses to graded maternal exercise. Med Sci Sports Exerc. 1999;31(6):792-9.

31. Rafla NM, Cook JR. The effect of maternal exercise on fetal heart rate. J Obstet Gynaecol. 1999;19(4):381-4.

32. MacPhail A, Davies GA, Victory R, Wolfe LA. Maximal exercise testing in late gestation: fetal responses. Obstet Gynecol. 2000;96(4):565-70.

33. Petrikovsky B, Jacob J Aiken L. What Your Unborn Baby Wants You to Know: A Complete Guide to a Healthy Pregnancy. New York: The Berkley Publishing Group; 2001.

34. Kennelly MM, McCaffrey N, McLoughlin P, Lyons S, McKenna P. Fetal heart rate response to strenuous maternal exercise: not a predictor of fetal distress. Am J Obstet Gynecol. 2002;187(3):811-6.

35. Kennelly MM, Geary M, McCaffrey N, McLoughlin P, Staines A, McKenna P. Exercise-related changes in umbilical and uterine artery waveforms as assessed by Doppler ultrasound scans. Am J Obstet Gynecol. 2002;187(3):661-6.

36. Ertan AK, Schanz S, Tanriverdi HA, Meyberg R, Schmidt W. Doppler examinations of fetal and uteroplacental blood flow in AGA and IUGR fetuses before and after maternal physical exercise with the bicycle ergometer. J Perinat Med. 2004;32(3):260-5.

37. Chaddha V. Fetal response to maternal exercise in pregnancies with uteroplacental insufficiency. Am J Obstet Gynecol. 2005;193(3 Pt 2):995-9.

38. Silveira C, Pereira BG, Cecatti JG, Cavalcante S, Pereira RI. Fetal cardiotocography before and after water aerobics during pregnancy. Reprod Health. 2010;7(23):1-7.

39. Barakat R, Ruiz JR, Rodríguez-Romo G, Montejo-Rodríguez R, Lucia A. Does exercise training during pregnancy influence fetal cardiovascular responses to an exercise stimulus? Insights from a randomised, controlled trial. Br J Sports Med. 2010;44(10):7624.

40. Salvesen KA, Hem E, Sundgot-Borgen J. Fetal wellbeing may be compromised during strenuous exercise among pregnant elite athletes. Br J Sports Med. 2012 Mar;46(4):279-83.