RMMG - Revista Médica de Minas Gerais

Volume: 25. 3 DOI: http://www.dx.doi.org/10.5935/2238-3182.20150077

Voltar ao Sumário

Artigos de Revisão

Reparação volêmica na criança queimada

Fluid resuscitation in burned child

Pedro Henrique de Lima Prata1; Walter Ferraz Flávio Júnior1; Antônio Tarcísio de Oliveira Lemos2

1. Acadêmico do Curso de Medicina da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG. Estagiário na Unidade de Tratamento de Queimados do Hospital João XXIII. Belo Horizonte, MG - Brasil
2. Médico. Doutor em Pediatria. Unidade de Tratamento de Queimados Pediátrica do Hospital João XXIII. Belo Horizonte, MG - Brasil

Endereço para correspondência

Pedro Henrique de Lima Prata
E-mail: phlprata@yahoo.com.br

Recebido em: 10/07/2009
Aprovado em: 26/08/2010

Instituição: Unidade de Tratamento de Queimados Pediátrica do Hospital João XXIII Belo Horizonte, MG - Brasil

Resumo

A queimadura é dos acidentes mais frequentes em Pediatria, com altas taxas de mortalidade. As complicações mais frequentes são o choque hipovolêmico, a desnutrição progressiva e as infecções. Este artigo faz uma revisão sobre a abordagem do choque hipovolêmico na criança queimada em relação à sua fisiopatologia e as diversas modalidades de tratamento, discutindo as suas vantagens e desvantagens.

Palavras-chave: Choque; Queimaduras; Queimaduras/terapia; Pediatria; Soluções para Reidratação.

 

INTRODUÇÃO

As queimaduras são acidentes graves que acometem todas as faixas etárias e se acompanham de importante sofrimento para o paciente, tanto pelas lesões, quanto pelo tratamento instituído, representado pelos banhos e curativos diários, desbridamentos cirúrgicos, enxertias cutâneas, punções venosas, coleta de sangue para exames laboratoriais e fisioterapia. São frequentes as complicações clínicas, destacando-se o choque hipovolêmico e hiponatrêmico, a desnutrição progressiva pelo aumento do gasto energético e as infecções, tanto da ferida quanto sistêmicas. Os sobreviventes levam marcas traumáticas pelo resto da vida, tanto físicas quanto emocionais. São comuns as cicatrizes, as deformidades com limitações físicas e dificuldades de adaptação social.

Sua frequência anual situa-se em torno de 1.200.000.1 No Hospital João XXIII, da Fundação Hospitalar de Minas Gerais, instituição referencial em atendimento em queimaduras para todo o estado de Minas Gerais, são atendidas aproximadamente 1.200 crianças por ano, sendo que 200, com maior gravidade, necessitam ser internadas na Unidade de Tratamento de Queimados.2

Aproximadamente 85% das queimaduras em crianças ocorrem no domicílio, a maior parte na cozinha. A escaldadura é o agente mais importante, seguida das lesões de natureza térmica, por contato com produtos químicos e radiação solar. Os acidentes pela eletricidade, embora pouco frequentes, provocam danos musculovasculares importantes, com consequentes mutilações. Cerca de 60% das crianças queimadas são do sexo masculino.2,3

Este artigo aborda as diversas modalidades de reparação volêmica da criança queimada, hospitalizada, tendo como principal objetivo a prevenção do choque hipovolêmico e hiponatrêmico.

 

FISIOPATOLOGIA

As queimaduras afetam não só a pele, mas todo o indivíduo, de forma física e psicológica, com elevada taxa de mortalidade e várias complicações, como:4-11 choque hipovolêmico; diminuição da defesa imunitária, que predispõe a complicações infecciosas; aumento do catabolismo proteico-calórico, com esgotamento das reservas energéticas e consumo progressivo da massa muscular e desenvolvimento de hipoalbuminemia grave; anemia progressiva devido à hemólise, diminuição da vida média das hemácias, sangramento, desbridamentos e enxertias cutâneas, coletas de sangue, úlcera de estresse, complicações infecciosas e anemia prévia à queimadura; sequelas físicas e emocionais e dificuldade de ajustes sociais.

O choque associado à queimadura é do tipo hipovolêmico e hiponatrêmico. A destruição celular pela queimadura provoca liberação de grande quantidade de mediadores sistêmicos e celulares (cininas, anafilotoxinas, histamina, serotonina, metabólitos do ácido araquidônico, radicais livres de O2, prostaglandinas, entre outros) que levam ao aumento da permeabilidade capilar, maximamente em torno de oito horas. A partir do segundo dia já se observa, clinicamente, regeneração capilar quase completa, mas os danos evidenciados à microscopia eletrônica se prolongam até a quarta semana. Os capilares normais permitem, usualmente, o livre fluxo de água e eletrólitos entre o espaço intravascular e o intersticial, mas impedem a passagem da albumina, cujo peso molecular é de 60.000 Kd, entretanto, a vasodilatação que acompanha a queimadura permite que substâncias com peso molecular acima de 250.000 Kd atinjam o interstício. A consequência é a ocorrência de movimento maciço de proteínas, água e eletrólitos do espaço vascular para o extravascular, com redução do volume do líquido intravascular e desidratação, choque hipovolêmico, insuficiência renal aguda e hipoproteinemia grave. A albumina, administrada nessa fase, passa ao espaço extravascular. Após restauração da perfusão capilar, a albumina retida no espaço extravascular contribui para a formação de edema e aumento dos riscos de complicações pulmonares.6,7,12-13

No paciente queimado há diminuição do débito cardíaco e do urinário. O excessivo líquido extra-vascular comprime os vasos sanguíneos, já em sofrimento pela hipovolemia e aumento da viscosidade, podendo acarretar aumento da área necrosada. O edema provocado pela vasodilatação capilar, em geral, limita-se à área queimada e em sua proximidade. Mas, nas queimaduras que atingem mais de 40% da superfície corporal, aparece anasarca. Esta se dá pelo aumento de sódio e potássio intracelulares, devido à diminuição da ação da ATP-ase e é agravada pela hipoalbuminemia.5-7,10-12,14-16

 

PECULIARIDADES DA CRIANÇA

A criança apresenta algumas peculiaridades que a tornam mais hidrolábil, favorecendo o aparecimento mais precoce da desidratação. A primeira é a maior quantidade de água total do organismo: 80% no recém-nascido, 60% à idade de um ano e 58% no adulto. Outra característica é o percentual da distribuição dos líquidos no compartimento extracelular, logo disponíveis para perdas: 40% no recém-nascido, 25% à idade de um ano e 18% no adulto. A criança possui ainda maior superfície corporal em relação ao peso, sendo essa relação 1,5 vez maior no recém-nascido do que na criança de 10 anos e três vezes maior se comparada com o adulto. O cálculo da superfície corporal na criança varia conforme a faixa etária, como pode ser visto na tabela de Lound & Browder.3

 

 

REPARAÇÃO VOLÊMICA

O primeiro atendimento da criança queimada, como em todo paciente traumatizado, segue as normas básicas do Suporte Avançado de Vida no Trauma (ATLS®). A reparação volêmica não deve ser atrasada, pois o choque pode se instalar rapidamente. Deve ser iniciada no primeiro atendimento, se possível no local onde se deu o acidente. Não há consenso em torno de uma única fórmula de reparação dos distúrbios hidroeletrolítico, entretanto, todos têm em comum algumas peculiaridades: urgente necessidade de se repor fluido sequestrado e perdas, a fim de se restaurar a volemia; manter a perfusão tissular e os débitos cardíaco e urinário. Recomenda-se acompanhar de perto as prescrições e resultados, a fim de se fazer os ajustes individuais necessários. A reposição volêmica correta contribui para o melhor prognóstico, enquanto que se for inadequada associa-se a choque, insuficiência renal aguda, acidose, edema, isquemia tissular e predisposição às complicações infecciosas. Não há vantagem em se administrar volumes acima do necessário, pois o edema leva à compressão dos capilares, com isquemia, infecção e aprofundamento das lesões.3,6,12,13,16-18

 

ESQUEMA DE REPARAÇÃO VOLÊMICA PROPOSTO

Nas crianças com queimaduras com extensão inferior a 15% da superfície corporal (10% se menor de um ano) basta a hidratação oral, baseada nas perdas e necessidades fisiológicas; enquanto que naquelas com queimaduras mais extensas utiliza-se a hidratação por punção venosa percutânea. A dissecção venosa deve ser evitada, a não ser nos casos de instabilidade hemodinâmica.

O débito urinário é o principal parâmetro para avaliação da volemia e perfusão tissular, pois a liberação maciça de catecolaminas mantém o pulso cheio, a frequência cardíaca elevada e a pressão arterial normal ou elevada. Nas queimaduras, acompanhadas de lesões inalatórias, há aumento de 50% das necessidades de aporte hídrico. O volume urinário deve ser mantido em torno de 1,5 mL/kg/h e, nas queimaduras elétricas, 2 mL/kg/h, devido ao risco adicional de insuficiência renal aguda pela hemoglobinúria e mioglobinúria consequentes à intensa rabdomiólise. Em alguns desses pacientes pode ser necessário prescrever NaHCO3 (33 mL para cada litro de solução administrada, em substituição ao NaCl), mantendo o pH urinário acima de 6,5. Nesses casos, torna-se necessário monitorar também o pH e o K+ sanguíneos, devido aos riscos de hipopotassemia e alcalose metabólica. O esquema de fluidoterapia não deve ser rígido, devendo ser adaptado à resposta de cada paciente em particular.5,19

Hidratação venosa nas primeiras 24 horas

fórmula de reparação (Parkland modificada): 3 mL x Peso x % SCQ. Considerar 50% como máximo de SCQ;

solução de manutenção (necessidades fisiológicas): 100 mL x Peso até 10 kg; 1.000 mL + 50 mL/kg entre 10 e 20 kg; 1.500 mL + 20 mL/kg para crianças com peso acima de 20 kg.

Administra-se no 1º dia NaCl 0,9% pura (310 mOsm/L, 154 mEq/L Na+; 154 mEq/L Cl).

modo de administração: nas primeiras oito horas, administra-se ½ do volume da fórmula de reparação + ⅓ das necessidades fisiológicas. A contagem de tempo é feita a partir do momento em que ocorreu a queimadura e não do momento em que a criança chegou ao hospital. Nas 16 horas seguintes, administra-se: ½ da fórmula de reparação + os ⅔ restantes das necessidades fisiológicas. Considerar no volume administrado a ingestão oral ou por bomba de infusão enteral. Embora o pool de potássio e cálcio esteja diminuído, não se deve administrá-los no primeiro dia, pois a potassemia e calcemia estão normais devido à liberação plasmática desses elementos pelas células lesadas. Exemplo: criança com 30 kg de peso e queimadura atingindo 40% da sua superfície corporal deverá receber, no primeiro dia, NaCl 0,9%: 3.600 mL (3 x 30 kg x 40%) de reparação mais 1.700 mL de manutenção. Nas primeiras oito horas: 1.800 mL (½ da reparação) + 566 mL (⅓ da manutenção). A solução restante deverá ser administrada nas 16 horas restantes.

Pode haver vantagens na redução do tempo de infusão da primeira solução em quatro horas, em vez de oito horas.20

Hidratação venosa no segundo dia

fórmula de reparação: 2 mL x Peso x % SCQ + solução de manutenção. A solução de NaCl 0,9% é diluída com solução glicosada isotônica (SGI) 5%, na proporção de 1:SGI / 1:NaCl0,9% e administrada igualmente ao longo das 24 horas. Acrescentar KCl 10% e gluconato de cálcio a 10%, respectivamente, 2 mL e 1 mL para cada 100 mL da solução de manutenção. Considerar no volume administrado a ingestão oral ou por bomba de infusão enteral.

Hidratação venosa no terceiro dia

fórmula de reparação: 1 mL x Peso x % SCQ + Solução de manutenção. A solução de NaCl 0,9% é diluída com SGI 5%, na proporção de 2:SGI / 1:NaCl0,9% e administrado igualmente ao longo das 24 horas. Acrescentar KCl e gluconato de cálcio. No cálculo do volume administrado, considerar a ingestão oral ou por bomba de infusão enteral.

 

SOLUÇÕES HIPERTÔNICAS

Nos pacientes críticos, apenas 20% do volume líquido administrado permanecem na circulação após uma a duas horas após a infusão, devendo-se no tratamento do choque repor o líquido perdido, assim como o déficit vascular. O grande volume de líquidos de reparação necessário no tratamento do paciente queimado pode vir a se constituir em problema adicional, ou seja, mais edema comprimindo os capilares e tecidos em sofrimento, levando à extensão da área necrosada. A utilização de soluções hipertônicas objetiva a restauração mais rápida da volemia, com redução do edema provocado pela hiperidratação. Além disso, a hiperidratação está associada a injúrias pulmonares. Na vigência de choque, há acúmulo de água no espaço celular.

As soluções hipertônicas promovem rápida expansão dos espaços vascular e intersticial, pelo desvio de água do intracelular para o extracelular, com aumento da osmolaridade intracelular. 5,15

Principais características das soluções hipertônicas

A hiperosmolaridade dessas soluções permite rápido aumento do volume plasmático e do débito cardíaco, com pronta recuperação do choque e do débito urinário. Há ainda redução da resistência vascular periférica e pulmonar e diminuição do trabalho cardíaco. Além disso, diminui a pressão intracraniana e causa vasodilatação sistêmica e pulmonar. A recuperação do fluxo intestinal contribui para a diminuição da translocação bacteriana.15

A administração de soluções hipertônicas permite a diminuição do fluxo hídrico para o tecido queimado.21,22 Admite-se que haja redução de 40% do volume líquido administrado. Outra vantagem do menor volume das soluções hipertônicas é o de atingirem mais rapidamente a temperatura corporal do que soluções isotônicas, cujos volumes são bem maiores, protegendo o paciente com grande queimado contra os graves efeitos da hipotermia. Embora não haja consenso sobre a adoção da reidratação hipertônica, ela é, no mínimo, tão benéfica quanto a isotônica.5,17,18,21,22

Principais indicações das soluções hipertônicas

grande queimado crítico: isto é, queimaduras que atingem 30% ou mais da superfície corporal;

atraso no primeiro atendimento: o paciente é admitido em choque ou evoluindo para o choque. A solução hipertônica permite rápida recuperação do choque e pronto restabelecimento dos débitos cardíaco e urinário;

queimaduras circulares podem provocar garroteamento de membros e comprometer o fluxo sanguíneo das extremidades, e quando localizadas no tronco podem provocar dificuldade respiratória;

lesões extensas de face e pescoço levam ao risco de insuficiência respiratória pelo edema. As soluções hipertônicas reduzem o tamanho do edema secundário à reparação hídrica;

queimaduras com lesões inalatórias.

Tipos de soluções hipertônicas

Há diferentes tipos de soluções hipertônicas para o tratamento do paciente grande queimado. As mais utilizadas contêm NaCl 1,5 ou 7,5%.

Solução a 1,5%

Contém 250 mEq/L de Na+ e osmolaridade de 500 mOsm/L. No preparo de 500 mL dessa solução utilizam-se 16 mL de NaCl a 20% + 484 mL de NaCl a 0,9%. Administra-se bolus de 10 mL/kg de peso até a restauração da perfusão capilar e da volemia, medida principalmente pela medida do fluxo urinário em torno de 1 mL/kg de peso/hora. A seguir, administra-se NaCl0, 9%, conforme preconizado para as 16 horas seguintes da hidratação venosa nas primeiras 24 horas.

Solução a 7,5%

Contém 1.250 mEq/L de Na+ e osmolaridade de 2.400 mOsm/L. No preparo de 100 mL dessa solução, utilizam-se 35 mL de NaCl a 20% + 65 mL de NaCl a 0,9%. Devem ser infundidos 4 mL/kg de peso em 30 minutos, seguido da administração de NaCl 0,9%, conforme preconizado para as 16 horas seguintes da hidratação venosa nas primeiras 24 horas.

Complicações das soluções hipertônicas

As soluções hipertônicas, administradas corretamente, não trazem altos riscos, e se forem infundidas rapidamente podem causar hipernatremia (acima de 160 mEq/L), mielinólise pontina e riscos de hemorragia cerebral em crianças menores de três anos de idade. A acidose hiperclorêmica é outra complicação possível, quando se administram rapidamente soluções hipertônicas. Essas soluções não são recomendadas na hidratação de recém-nascidos. Pode ser utilizado acesso venoso periférico para a sua administração.

 

PREVENÇÃO

As queimaduras são a principal causa de acidentes fatais ocorridos no domicílio nos primeiros nove anos de vida; e deixam marcas para sempre e os resultados do tratamento, por melhores que sejam, acompanham-se de variados graus de sequelas. Os acidentes não se devem ao acaso, isto é, são previsíveis e devem ser evitados. Os programas de prevenção de queimaduras devem abranger aspectos educacionais, visando à mudança de comportamento; legislativos, garantindo as medidas de prevenção propostas; tecnológicos, com o objetivo de modificar o ambiente ou o produto que levam ao trauma.

 

REFERÊNCIAS

1. Cocks AJ, O'Connell A, Martin H. Crystalloids, colloids and kids: a review of paediatric burns in intensive care. Burns.1998;24:717-24.

2. Bortolani A, Governa M, Barisoni D. Fluid replacement in burned patients. Acta Chir Plast. 1996;38:132-6.

3. Elgjo GI. Small volume hypertonic fluid treatment of burns. J Burns. 2003;2(1):5-31.

4. Jeschke MG, Chinkes DL, Finnerty CC, Kulp G, Suman OE, Norbury WB, Branski LK, et al. Pathophysiologic Response to Severe Burn Injury. Ann Surg. 2008;248(3):387-401.

5. Dulhunty JM, Boots RJ, Rudd MJ, Muller MJ, Lipman J. Increased fluid resuscitation can lead to adverse outcomes in major-burn injured patients, but low mortality is achievable. Burns. 2008;34:1090-7.

6. Allison K, Porter K. Consensus on the pre-hospital approach to burns patient management. Accid Emerg Nurs. 2004;12:53-7.

7. Kien ND, Antognini JF, Reilly DA, Moore PG. Small-volume resuscitation using hypertonic saline improves organ perfusion in rats. Anesth Analg. 1996;83(4):782-8.

8. Lemos ATO. Queimaduras: necessidade de transfusão de glóbulos e de colóides. Rev Med Minas Gerais. 1993;3(1):109.

9. Dai NT, Chen TM, Cheng TY, Chen SL, Chen SG, Chou GH, et al. The comparison of early fluid therapy in extensive flame burns. Burns. 1998;24(7):671-5.

10. Puffinbarger NK, Tuggle DW, Smith EI. Rapid isotonic fluid resuscitation in pediatric Thermal Injury. J Ped Surgery. 1994;29(2):339-42.

11. Palmieri TL, Lee T, O'Mara MS, Greenhalgh DG. Effects of a restrictive blood transfusion policy on outcomes in children with burn injury. J Burn Care Res. 2007;28(1):65-70.

12. Schulman CI, King DR. Pediatric fluid resuscitation after thermal injury. J Craniofac Surg. 2008;19(4):910-2.

13. Serra MCVF. Tratamento inicial do grande queimado - Reposição Volêmica. In: Lima Júnior EM, Serra MCVF, editors. Tratado de Queimaduras. São Paulo: Atheneu; 2004. p.55-63.

14. Sheridan RL, Prelack K, Cunningham JJ. Physiologic hypoalbuminemia Is well tolerated by several burned children. J Trauma. 1997;43(3):448-52.

15. Pacheco SV. Albumina en el paciente crítico. Rev Chil Pediatr. 2007;78(4):403-13.

16. Pham TN, Cancio LC, Gibran NS. American Burn Association. American burn association practice guidelines burn shock resuscitation. J Burn Care Res. 2008;29(1):257-66.

17. Kreimeier U, Messmer K. Small-volume resuscitation: from experimental evidence to clinical routine. Advantages and disadvantages of hypertonic solutions. Acta Anaesthesiol Scand. 2002;46(6):624-38.

18. Carvalho WB. Soluções hipertônicas em pediatria. J Pediatr (Rio J). 20032003;79(2):187-94.

19. Serra MCVF, Lemos ATO, Costa DMC. Peculiaridades do tratamento inicial da criança queimada. In: Lima Júnior EM, editor. Tratado de Queimaduras no Paciente Agudo. São Paulo: Atheneu; 2008. p.147-56.

20. Serra MCVF, Lemos ATO, Costa DMC. Complicações clínicas das queimaduras. In: Lima Júnior EM, editor. Tratado de Queimaduras no Paciente Agudo. São Paulo: Atheneu; 2008. p.157-64.

21. Lima Júnior EM. História da sociedade brasileira de queimaduras. In: Lima Júnior EM, editor. Tratado de Queimaduras no Paciente Agudo. São Paulo: Atheneu; 2008. p.6-10.

22. Costa DMC, Lemos ATO, Bertolin R. Injúrias não intencionais (acidentes): Queimaduras. In: Sociedade Brasileira de Pediatria. Tratado de Pediatria. São Paulo: Manole; 2007. p.85-7.