RMMG - Revista Médica de Minas Gerais

Número Atual: 30 DOI: http://www.dx.doi.org/10.5935/2238-3182.20200021

Voltar ao Sumário

Artigo de Revisao

Avaliação do uso do método de custeio baseado em atividade no ambiente hospitalar: uma revisão de literatura

Evaluation of the use of the activity-based costing method in the hospital environment: a literature review

Marcelo Paulo Melo de Souza1; Carlos Leonardo Figueiredo Cunha2

1. Universidade de São Paulo, MBA em gestão em saude - Ribeirão Preto - São Paulo - Brasil
2. Universidade Federal do Para, Enfermagem - Belem - Para - Brasil

Endereço para correspondência

Marcelo Paulo Melo de Souza
E-mail: marcelo.mpms@gmail.com

Recebido em: 30/11/2018
Aprovado em: 01/12/2019

Instituição: Universidade de São Paulo- Ribeirão Preto - São Paulo - Brasil

Resumo

O gerenciamento de custos é uma ferramenta importante na gestão de unidades de saúde, e o custeio baseado em atividades (ABC) emerge como alternativa no ambiente hospitalar, permitindo análise dos processos produtivos e melhoria do comportamento organizacional. O presente trabalho trata-se de uma revisão da literatura com o objetivo de avaliar a experiência do uso do Método de Custeio Baseado em Atividade no ambiente hospitalar. Realizou-se busca dos artigos científicos publicados de janeiro de 2013 a janeiro de 2018, relacionados nas bases de dados Scientific Electronic Library Online (Scielo) e Pubmed, tendo como objeto de pesquisa as unidades hospitalares nas quais o Método ABC foi implementado. Como característica observou-se grande heterogeneidade em relação ao desenho do estudo e setor de implementação do método ABC. Todos os estudos enfatizam a importância do método ABC na correta definição dos custos de serviços hospitalares, bem como a utilidade na atividade gerencial e melhoria dos processos e atividades no ambiente hospitalar, permitindo eficiência e eficácia com qualidade da assistência prestada. O método ABC é, portanto, um sistema útil e aplicável no ambiente hospitalar devido à complexidade organizacional dessas unidades, à diversidade de serviços oferecidos, e ao número de funcionários e de atividades realizadas. Implementar seu uso em hospitais ajuda na atividade gerencial e permite uma correta análise dos custos e da participação de cada atividade no valor do serviço final ofertado, permitindo a melhoria dos processos e da eficiência e eficácia das atividades correlatas, com importante redução de custos.

Palavras-chave: Gestão em saúde; Custos e Análise de Custo; Controle de Custos; Custos Hospitalares.

 

INTRODUÇÃO

A economia mundial evoluiu nas últimas décadas com a informatização dos processos produtivos e a globalização das informações, levando ao aumento da competitividade e a rápidas mudança nos seus diversos setores. O uso de sistemas de gerenciamento ágeis e flexíveis auxilia no processo gerencial.1 O setor saúde não esteve aquém desse processo, por vezes estando na vanguarda dos acontecimentos. O aumento das pesquisas na área médica e a demanda crescente por novas tecnologias e terapêuticas, associado a insuficiência de recursos e a despreocupação historiaca dos gestores com os custos e o equilíbrio financeiro das unidades, sobretudo no setor público, tornou necessário o estudo e aprimoramento das práticas econômicas adotadas.2, 3

Nesse contexto, o ambiente hospitalar é, talvez, entre as unidades de saúde, a que apresenta maior diversidade em seus processos, com uma resultante maior complexidade na gestão de custos.4 É necessário que os gestores tenham conhecimento dos processos produtivos das unidades de saúde e os instrumentos gerenciais devem proporcionar informações adequadas para a administração dos recursos empregados.2 O gerenciamento de custos é um desses instrumentos. Ele é desafiador, mas deve ser de amplo conhecimento e domínio dos gestores.5 Através dele o gestor terá uma visão clara de como os recursos estão sendo empregados e, assim, a tomada de decisões, o melhor controle dos gastos, a identificação de setores ociosos e pouco produtivos, e a otimização da prestação de serviços tornam-se possíveis.3

Entre os métodos de gerenciamento de custos atuais, o custeio baseado em atividades (Método ABC) emerge como alternativa plausível e útil no ambiente hospitalar. O método ABC parte da premissa que o consumo de recursos se deve a atividade e não ao produto. A atividade seria então analisada conforme as tarefas necessárias à sua realização, tendo assim, melhor domínio sobre os custos indiretos.2 Este método permite a análise dos processos produtivos e, com isso, é possível atuar na melhora do comportamento organizacional, permitindo maior exatidão na tomada de decisões.2,3

Tendo em vista que as unidades hospitalares de saúde públicas no país são afetadas pelo subfinanciamento e com a elevada demanda de seus serviços, o presente trabalho surge como forma de avaliar o uso do Método de Custeio ABC observando seu emprego nos diferentes setores e a eficácia e utilidade na apuração dos custos hospitalares, auxiliando gestores na aceitação e na implementação desse sistema em suas unidades. Trata-se, então, de uma revisão da literatura com o objetivo de avaliar a experiência do uso do Método de Custeio Baseado em Atividade no ambiente hospitalar.

 

METODOLOGIA

O presente trabalho trata-se de uma revisão da literatura sobre a experiência do uso do Método de Custeio Baseado em Atividade no ambiente hospitalar. Realizou-se busca dos artigos científicos relacionados nas bases de dados Scientific Electronic Library Online (Scielo) e Pubmed, tendo como objeto de pesquisa as unidades hospitalares nas quais o Método ABC foi implementado.

A pesquisa desenvolveu-se utilizando os termos "método de custeio baseado em atividade", "hospital", "sistema ABC", "custos hospitalares" nas bases de dados acima mencionadas.

Foram elegíveis ao estudo os artigos que obedeciam aos seguintes critérios de inclusão: a) artigos nos idiomas: inglês, espanhol e português; b) estudos relacionados ao tema proposto; c) artigos disponíveis em sua versão completa; d) trabalhos realizados em hospitais; e) estudos publicados de janeiro de 2013 a janeiro de 2018;

Adotou-se os seguintes critérios de exclusão: a) estudos não relacionados com o tema proposto; b) estudos cujos resultados e conclusões não envolvem a avaliação do uso do método abc em unidades hospitalares; c) artigos publicados anteriormente a janeiro de 2013; d) trabalhos relacionados em unidades de saúde que não sejam hospitalares; e) artigos de baixa confiabilidade;

Procurou-se extrair dos artigos dados referentes às variáveis: desenho, metodologia, objetivos e desfecho do estudo (figura 1).

 


Figura 1. Processo de seleção de dados de pesquisa
Fonte: Dados da pesquisa realizada pelo autor.

 

A seleção, então, foi realizada nas seguintes fases: fase I: seleção dos artigos em versão completa publicados em jornais e revistas especializadas; fase II: leitura de títulos, resumos e palavras-chaves; fase III: leitura dos textos completos.

 

RESULTADOS

Foram identificados na estratégia de busca supracitadas 134 artigos. Foram excluídos pelo título 84 artigos e, após a leitura do resumo, foram excluídos 35 artigos. Desta forma, foram incluídos nesta revisão 15 artigos, ao final da análise, sendo 5 estudos descritivos, 3 estudos de caso, 2 estudos prospectivos, 2 estudos transversais, 1 analise retrospectiva, 1 estudo de intervenção e 1 revisão sistemática.

Os quinze estudos, publicados nos últimos cinco anos, demonstraram e debateram o uso do Método de Custeio ABC em unidades de saúde. Foram revistos os setores em que o Método de custeio ABC foi aplicado, os desfechos de seu uso, bem como a sua viabilidade e sua efetividade. Os trabalhos incluídos neste estudo e os dados extraídos estão representados na tabela 1.

 

 

DISCUSSÃO

Os sistemas de custeio são ferramentas necessárias a atividade gerencial. A análise adequada de custos auxilia na alocação de recursos e pessoal, melhoria e otimização das equipes e dos espaços físicos, na redução de gastos e desperdícios, possibilitando expansão e excelência dos serviços.2 Os estudos avaliados evidenciaram a grande heterogeneidade e complexidade dos serviços realizados no ambiente hospitalar. Estes são dotados de atividades e profissionais desempenhando as mais diversas funções, em prol do fornecimento de um produto/serviço adequado a população4, lidam com a limitação de recursos para atender as demandas e, por vezes, são gerenciadas de forma ineficiente em relação aos custos. A apuração e gestão de custos é, portanto, desafiadora no ambiente hospitalar.3 Diversos sistemas de custeio são identificados na literatura especializada, sendo método ABC e seu uso em ambiente hospitalar os focos do presente trabalho.

O Método de Custeio ABC tem origem nos anos 80 nos Estados Unidos, tendo sido conhecido no Brasil a partir de 1989, através de estudos da Universidade de São Paulo.3 Seu uso visa determinar as atividades que agregam valor ao produto ou serviço ofertado. É, portanto, estruturado na ideia de que as atividades é que consomem recursos e que devem ser analisadas na avaliação de custos.2 Apesar de muito conhecido, é de pouco uso, conforme pesquisa realizada em hospitais universitários brasileiros. 97% dos entrevistados afirmaram conhecer o método e apenas 15% afirmaram estar em uso ou em implementação4, Dmeonstrando a necessidade de difusão deste método na rede de hospitais públicos brasileiros e suas vantagens na forma de abordar os custos das atividades em saúde. A primeira etapa do método de custeio ABC é identificar as atividades relacionadas ao produto ou serviço e determinar seus custos. O passo seguinte é determinar os custos proporcionais de cada atividade no serviço ou produto final, através de direcionadores de custos.7

Os artigos avaliados demonstraram as vantagens do uso do método ABC, como sistema de custeio. Ele se contrapõe aos métodos tradicionais ao diminuir disparidades quanto a contabilidade dos custos indiretos no produto ou serviço2, permitem determinar causa-efeito entre as atividades, aferem quais atividades não agregam valor, permitem comparações entre atividades semelhantes em instituições diferentes ou atividades diferentes em uma mesma instituição.12 O método ABC realiza o controle adequado dos recursos, observando as atividades que pesam nos custos3 e, desta forma, auxilia a atividade gerencial na redução de custos e manutenção da qualidade dos serviços.6 Ele, contudo, se mostrou complexo e de difícil implementação por seu grau de detalhamento, sendo este um fator limitante ao seu uso rotineiro.2

Diversas foram as unidades hospitalares, os setores e os tratamentos em que o sistema ABC foi implementado e registrado na literatura atual. Observou-se seu uso em unidades de terapia intensiva12, no centro de materiais esterilizados3, relacionado a transfusão de hemocomponentes8, no setor de nutrição de hospital público6, no centro de medicina nuclear de hospital terciário7, no setor de neonatologia11, relacionado a cirurgia de câncer de pele não melanoma13, relacionado a artroplastia de quadril e joelho17, relacionado ao tratamento de apendicite na população pediátrica14, e no setor de emergência15, demonstrando o amplo campo de aplicação do método nas instituições hospitalares de saúde. Nestas aplicações práticas, o método de custeio ABC foi relacionado a melhoria da compreensão das atividades e sua otimização3, proveu a redução de custos nos setores de nutrição de hospital de alta complexidade6, permitiu análise precisa dos custos aos gestores.9

O auxílio do sistema de custeio ABC a atividade gerencial ficou evidente. Os gestores podem, ao implementar esse sistema de custeio, avaliar os fatores que prejudicam o balanço contábil das unidades de saúde10 através de uma visão pormenorizada das atividades e custos do seu departamento.9 Com os dados fornecidos, ações corretivas podem ser propostas, otimizando a eficiência e eficácia dos serviços de saúde prestados e melhorando a qualidade do atendimento.11,13 Ao analisar os custos de tratamentos para patologias específicas, como apendicite, artrose de joelho e quadril, câncer de pele não melanoma, entre outros, o método ABC favorece a padronização e melhoria de processos, com avaliação dos impactos das intervenções sobre os custos no tratamento dos pacientes.14

O método de Custeio ABC é, portanto, uma ferramenta útil e de grande valia no setor de saúde, encontrando no ambiente hospitalar um lugar impar para seu uso. Por permitir o preciso uso de recursos, com a correta determinação dos custos correlatos17, seu uso pode auxiliar na avaliação de custos, permitindo eficiente gerenciamento das unidades16, principalmente nas unidades hospitalares do sistema único de saúde.

 

CONCLUSÃO

O método de Custeio Baseado em Atividade (ABC) é um sistema útil e aplicável no setor ambiente hospitalar, em virtude da grande complexidade organizacional dessas unidades, da diversidade de serviços oferecidos, e do grande número de funcionários e de atividades realizadas. Implementar seu uso em hospitais, sobretudo hospitais da rede única de sáude, favorece a atividade gerencial e permite uma correta análise dos custos e da participação de cada atividade no valor do serviço final ofertado. Ele é sistema de custeio que permite a melhoria dos processos, com redução de custos e melhoria da eficiência e eficácia das atividades correlatas.

 

REFERÊNCIAS

1. Beuren IM, Roedel A. O uso do custeio baseado em atividades: ABC (Activity Based Costing) nas maiores empresas de Santa Catarina. Rev Contab Finanç. 2002;13(30):7-18.

2. Bonacim CAG, Araujo AMP. Gestão de custos aplicada a hospitais universitários públicos: a experiência do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da USP. Rev Adm Pública. 2010;44(4):903-31.

3. Jerico MC, Castilho V. Gerenciamento de custos: aplicação do método de Custeio Baseado em Atividades em Centro de Material Esterilizado. Rev Esc KEnferm USP. 2010;44(3):745-52.

4. Miranda GJ, Carvalho CE, Martins VF, Faria AF. Custeio ABC no ambiente hospitalar: um estudo nos hospitais universitários e de ensino brasileiros. Rev Contab Finanç. 2007;18(44):33-43. 

5. Leoncine M, Bornia AC, Abbas K. Sistemática para apuração de custos por procedimento médico-hospitalar. Production. 2013;23(3):595-608. 

6. Neriz L, Núñez A, Ramis F. A cost management model for hospital food and nutrition in a public hospital. BMC Health Serv Res. 2014;14:542.

7. Hada MS, Chakravarty A, Mukherjee P. Activity based costing of diagnostic procedures at a nuclear medicine center of a tertiary care hospital. Indian J Nucl Med. 2014 Oct;29(4):241-5.

8. Shander A, Ozawa S, Hofmann A. Activity-based costs of plasma transfusions in medical and surgical inpatients at a US hospital. Vox Sang. 2016;111(1):55-61.

9. Javid M, Hadian M, Ghaderi H, Ghaffari S, Salehi M. Application of the activity-based costing method for unit-cost calculation in a hospital. Glob J Health Sci. 2016;8(1):165-72.

10. Giorga E, Mantas J. Cost of health services using the Activity Based Costing (ABC) model: a case study at NIMTS hospital. Stud Health Technol Inform. 2014;202:317.

11. Tchamdja T, Balaka A, Tchandana M, Agbe´tra A. Coût de l'hospitalisation par la méthode de comptabilité par activité dans le service de néonatalogie de l'hôpital Principal de Dakar. Med Sante Trop. 2015;25(4):392-6.

12. Alvear S, Canteros J, Jara J, Rodríguez P. Costeo basado en actividades: una metodología de gestión en tratamientos intensivos. Rev Méd Chile. 2013;141(11):1371-81.

13. Aguilar-Bernier M, González-Carrascosa M, Padilla-Espana L. Five-year economic evaluation of non-melanoma skin cancer surgery at the Costa del Sol Hospital (2006-2010). J Eur Acad Dermatol Venereol. 2014 Mar;28(3):320-6.

14. Yu YR, Abbas PI, Smith CM, Carberry KE, Ren H, Patel B, et al. Time-driven activity-based costing: A dynamic value assessment model in pediatric appendicitis. J Pediatr Surg. 2017;52(6):1045-9.

15. Yun BJ, Prabhakar AM, Warsh J, Kaplan R, Brennan J, Dempsey KE, et al. Time-driven activity-based costing in emergency medicine. Ann Emerg Med. 2016;67(6):765- 72.

16. Keel G, Savage C, Rafiq M, Mazzocato P. Time-driven activitybased costing in health care: A systematic review of the literature. Health Policy. 2017 Jul;121(7):755-63.

17. Akhavan S, Ward L, Bozic KJ. Time-driven activity-based costing more accurately reflects costs in arthroplasty surgery. Clin Orthop Relat Res. 2016 Jan;474(1):8-15.