RMMG - Revista Médica de Minas Gerais

Número Atual: 31 e-30503 DOI: http://www.dx.doi.org/10.5935/2238-3182.20210022

Voltar ao Sumário

Carta ao Editor

Apendicectomia videolaparoscópica na gestação

Videolaparoscopic appendectomy during pregnancy

Eduardo Neubarth Trindade1; Carine Leite2; Manoel Roberto Maciel Trindade3

1. MD, PhD. Hospital de Clínicas de Porto Alegre - HCPA, Serviço de Cirurgia do Aparelho Digestivo. Porto Alegre, RS - Brasil
2. MD, PhD. Hospital Moinhos de Vento - HMV, Serviço de Gastroenterologia. Porto Alegre, RS - Brasil
3. Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS, Faculdade de Medicina, Departamento de Cirurgia. Porto Alegre, RS - Brasil

Endereço para correspondência

Eduardo Neubarth Trindade
E-mail: eduardontrindade@yahoo.com.br

Recebido em: 06/07/2020
Aprovado em: 15/02/2021

Instituição: Hospital de Clínicas de Porto Alegre - HCPA, Serviço de Cirurgia do Aparelho Digestivo. Porto Alegre, RS - Brasil

 

A Apendicectomia Videolaparoscópica é o método de escolha para o tratamento da apendicitite aguda na gestação. Lemos com grande interesse o trabalho de Ferreira et. al que avaliou os desfechos desfechos materno-fetais da apendicectomia na gestação: uma comparação entre técnica aberta e laparoscópica1. Todavia ao contrario da conclusão dos autores, acreditamos que neste momento seria quase anti-ético a realização de um ensaio clínico para comparar as duas abordagens, pois todas as séries de casos relatadas apresentaram resultados favorecendo a abordagem laparoscópica sobre a abordagem laparotomica.

Esses achados se deram inclusive em trabalho experimental realizado em nosso serviço que investigava a Influência da abordagem cirúrgica (videolaparoscopia versus laparotomia) na gestação de coelhas prenhes 2. O trabalho conclui que a videolaparoscopia e a laparotomia são procedimentos seguros de serem realizados durante o período gestacional de coelhas. Outra preocupação que o pneumoperitonio poderia induzir ao trapalho de parto prematuro esse fato não foi evidenciado nesse estudo experimental controlado, pois não foi encontrada diferença estatística entre os grupos laparoscopia ou laparotomia..

Sendo que os resultados inerentes das vantagens encontrados na videolaparoscopia em relação a laparotomia como menor tempo de internação, menor índice de dor pós-operatória, melhores resultados estéticos e retorno mais rápido as atividades habituais também são encontrados nas pacientes gestantes.

Em centros com treinamento adequado, não deve se deixar de ser ofertado a esse grupo de pacientes a abordagem videolaparoscópica. Será difícil a realização de ensaios clínicos randomizados ou estudos com maior nível de evidência, tendo em vista a segurança e efetividade já mostrada na prática clínica de muitos centros pelo mundo3. O grau de recomendação é elevado, mesmo numa eventual falta de estudos controlados em humanos, tamanho é as vantagens encontradas na literatura até o momento.

Anteriormente, chegava a se questionar em qual trimestre da gestação seria mais seguro a realização de laparotomia ao invés de laparoscopia, mas novos estudos confirmaram a sua segurança e efetividade em todos os trimestres da gestação4. Sem mencionar os outros benefícios da abordagem por vídeo, maior visibilização de toda a cavidade abdominal e a possibilidade de realização de outros diagnósticos intra-abdominais, estratégia diagnóstica que se torna limitada pela abordagem laparotomica. Esse recurso da possibilidade de outros diagnósticos na cavidade abdominal torna-se ainda mais vantajosos na gestante pelo desafio diagnóstico que é o do abdômen agudo cirúrgico na gestação.

Nossa conclusão é que o método de abordagem da apendicectomia na gestação (laparoscopia versus laparotomia) dependem mais da experiencia da equipe cirúrgica com o método, equipamentos adequados da Instituição e condições clínicas da paciente, sendo que as evidencias sugerem um claro beneficio para a abordagem videolaparoscópica.

 

REFERÊNCIAS:

1. Ferreira PEL, Desfechos materno-fetais da apendicectomia na gestação: uma comparação entre técnica aberta e laparoscópica. Rev Med Minas Gerais 2020; 30: e-30204.

2. Rosa Junior A, Trindade MRM, Shemes T, Tavares WC. Influência da abordagem cirúrgica (videolaparoscopia versus laparotomia) na gestação de coelhas prenhes.Acta Cir. Bras. [online]. 2003, vol.18, n.4 [cited 2020-07-06], pp.337-341

3. Trindade E, Leboutte L, Trindade MRM. Videolaparoscopic appendectomy during pregnancy - gold standard. Rev. Assoc. Med. Bras., São Paulo , v. 62, n. 1, p. 13, Feb. 2016.

4. Chohan L, Nijjar JB. Minimally Invasive Surgery in Pregnancy. Clin Obstet Gynecol. 2020;63(2):379-391.