RMMG - Revista Médica de Minas Gerais

Volume: 24. 1 DOI: http://www.dx.doi.org/10.5935/2238-3182.20140029

Voltar ao Sumário

Relato de Caso

Intussuscepçao colônica em adulto: relato de caso

Adult colonic intussusception: a case report

Marcelo Barros Weiss1; Romeu Barradas de Menezes2

1. Médico-cirurgião. Mestrado em UTI. Professor de Clínica Cirúrgica da Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde de Juiz de Fora e Preceptor de Residência Médica de Cirurgia Geral no Hospital Maternidade Therezinha de Jesus-HMTJ. Juiz de Fora, MG - Brasil
2. Acadêmico do curso de Medicina da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Juiz de Fora - UFJF. Juiz de Fora, MG - Brasil

Endereço para correspondência

Romeu Barradas de Menezes
E-mail: romeubm@globo.com

Recebido em: 29/05/2013
Aprovado em: 15/10/2013

Instituição: Faculdade de Medicina da UFJF Juiz de Fora, MG - Brasil

Resumo

Intussuscepçao é a penetraçao de um segmento do tubo gastrintestinal (TGI) em direçao ao segmento adjacente. É rara em adultos e de diagnóstico difícil. Possui na faixa etária adulta, em geral, um fator precipitante. Este trabalho relata paciente adulta que se apresentou à emergência cirúrgica com abdome agudo. Realizada laparotomia de emergência que evidenciou invaginaçao colônica. A patologia confirmou tratar-se de lipoma como cabeça do intussuscepto.

Palavras-chave: Intussuscepçao; Intestino Grosso; Adulto; Lipoma; Laparotomia.

 

INTRODUÇAO

A invaginaçao, ou intussuscepçao intestinal, é comum em crianças, porém rara em adultos. Sua raridade e inespecificidade clínica atrasam o seu diagnóstico e de suas complicaçoes, com repercussao sobre seu tratamento em adultos e idosos.

 

DESCRIÇAO DO CASO

Paciente feminina, 38 anos de idade, procurou serviço de urgência devido à dor abdominal recorrente, de início há duas semanas, e parada de eliminaçao de fezes nos últimos dias, diminuiçao de flatos e episódio no dia anterior de hematoquezia. Apresentou episódio de vômito, com náuseas, hiporexia e emagrecimento de 4 kg em duas semanas, sem febre. Procurou a Unidade de Pronto-Atendimento cinco vezes anteriormente, sendo prescrita analgesia, o que trouxe melhora parcial. O abdome estava distendido, doloroso difusamente à palpaçao superficial, com ruídos hidroaéreos, timpanismo e massa palpável paraumbilical à direita. Apresentava os seguintes exames hematológicos: hemoglobina de 12,4 g%; leucócitos totais: 10.000/mm3; plaquetas: 382.000/mm3; creatinina: 0,6 mg%; ureia: 21 mg%; sódio: 137 mEq/L; potássio: 3,8 mEq/L. O exame de urina (elementos anormais, sedimentoscopia) estava normal. A ultrassonografia abdominal visualizou alça no interior de alça intestinal na regiao infraumbilical, podendo corresponder à invaginaçao intestinal.

Foi submetida à laparotomia, que identificou grande cabeça de invaginaçao em colo transverso, próximo do ângulo hepático. Realizada hemicolectomia direita com esvaziamento linfonodal e anastomose primária terminolateral (Figura 1).

 


Figura 1 - Cabeça de invaginação do colo transverso.

 

Evoluiu sem complicaçoes no pós-operatório. O resultado histopatológico evidenciou lipoma gigante.

 

DISCUSSAO

A intussuscepçao é a entrada de um segmento do tubo gastrintestinal (TGI) em direçao ao segmento adjacente, anterior ou posteriormente.1 Pode ser classificada, em relaçao à sua sintomatologia, em aguda, menos de quatro dias; subaguda, quatro a 14 dias; e crônica, acima de 14 dias. A invaginaçao anterógrada ocorre quando o segmento intestinal proximal invagina-se para o interior do lúmen do segmento distal; e a retrógrada, quando o segmento distal invagina-se para o interior do proximal.1

A invaginaçao em adulto é rara, perfazendo 5% dos casos de intussuscepçao e 1% das causas de obstruçao intestinal.2 Pode envolver qualquer parte do TGI, sendo mais frequente no intestino delgado do que no colo.2,3 Nos adultos a idade média de aparecimento é de 54,4 anos, com pequeno predomínio em mulheres (1,3:1).4

O mecanismo exato que leva à invaginaçao ainda é desconhecido, entretanto, acredita-se que qualquer lesao ou processo irritativo dentro do lúmen intestinal é capaz de desencadeá-la.1 Estima-se que 90% das intussuscepçoes em adultos tenham causa subjacente.3-5 No intestino grosso, a maioria dos estudos institucionais mostra que os tumores malignos compoem mais de 50% das causas de invaginaçao de colo.5 Outros fatores de risco citados, além de tumores malignos e benignos, sao infecçao pelo vírus da imunodeficiência humana, doença inflamatória intestinal, cirurgia abdominal prévia e transplante hepático.6

Neste caso, a cabeça de invaginaçao foi um lipoma, tumor benigno constituído por células gordurosas tipo adulto envoltas por cápsula fibrosa.7 Possui incidência de 0,6% com predomínio na quinta e sexta décadas de vida, sendo mais prevalente em mulheres.7-9 Foram relatados entre 1976 e 2001, 32 casos de invaginaçoes colônicas secundárias ao lipoma.10 É considerado o segundo tumor benigno mais comum do intestino grosso, sendo, geralmente, assintomático8, podendo evoluir de forma sintomática em 6,6% dos casos.9 Em 24 casos de intussuscepçao observados durante 22 anos, somente dois foram ocasionados por lipoma.8 Nao há controvérsia que os lipomas devem ter pelo menos 2 cm para gerar sinais e sintomas, os quais podem ser: intussuscepçao, sangramento, obstruçao intestinal e dor abdominal7-9, sendo controverso na literatura qual ocorre com mais frequência.8 Os lipomas teoricamente podem sofrer degeneraçao sarcomatosa e se tornarem malignos, porém é evento extremamente raro.8

A sintomatologia da invaginaçao intestinal é inespecífica, sendo mais prevalentes em pacientes com diagnóstico confirmado de intussuscepçao: dor abdominal (100%), náuseas e vômitos (55,5%), hematoquezia (50%) e massa palpável no hemiabdome inferior (11,1 %).5

A inespecificidade dos sinais e sintomas da invaginaçao torna o diagnóstico pré-operatório um desafio para os cirurgioes. Na grande parte das vezes a sintomatologia clínica de obstruçao predomina, fazendo da radiografia o primeiro exame solicitado, que evidencia sinais de obstruçao intestinal e, eventualmente, seu sítio.3 Apesar de a ultrassonografia ser considerada exame de grande utilidade no diagnóstico de invaginaçao, o exame com mais acurácia é a tomografia computadorizada, podendo chegar a 100%.3-11 Entretanto, de acordo com a situaçao clínica e das condiçoes do serviço, podem ser usados o enema opaco, a colonoscopia e a sigmoidoscopia flexível como recursos diagnósticos.3

Grande parte das revisoes indica a cirurgia de urgência ou eletiva como escolha no manejo terapêutico da invaginaçao intestinal pelo risco de isquemia intestinal e lesao maligna como causa do processo.12 O manejo conservador com acompanhamento imaginológico (ultrassonografia e TC) é possível em pacientes sem lesoes subjacentes nos exames de imagem e sem manifestaçoes clínicas.3

Importante citar que, como a intussuscepçao em adultos tem causa maligna subjacente na maioria dos casos, a reduçao manual pode causar dispersao do tumor e nao está indicada, principalmente, se houver acometimento do colo.12 Entretanto, quando houver diagnóstico pré-operatório de lesao benigna a reduçao pode ser feita, possibilitando ressecçao menor, caso nao haja sinais de isquemia de parede intestinal.11

 

CONCLUSOES

A intussuscepçao é evento raro em adultos, com diagnóstico difícil devido à inespecificidade da sua sintomatologia. O cirurgiao deve, portanto, ficar atento a essa possibilidade diagnóstica, em que o melhor método de imagem é a tomografia computadorizada para sua identificaçao. O tratamento requer ressecçao do segmento envolvido sem tentativa de reduçao nas lesoes de colo.

 

REFERENCIAS

1. Wang N, Cui XY, Liu Y, Long J, Xu Y-H, GuoR-X, et al. Adult intussusception: a retrospective review of 41 cases. World J Gastroenterol. 2009;15:3303-8.

2. Gollub MJ. Colonic intussusception: clinical and radiographic features. AJR Am J Roentgenol. 2011;196(5):W580-5.

3. Guillén-Paredes MP, Campillo-Soto A, Martín-Lorenzo JG, Torralba- Martínez JA, Mengual-Ballester M, Cases-Baldó MJ, et al. Adult intussusception: 14 case reports and their outcomes. Rev Esp Enferm Dig. 2010;102(1):32-6.

4. Soni S, Moss P, Jaiganesh T. Idiopathic adult intussusception. Int J Emerg Med. 2011;4:8.

5. Balik A, Ozturk G, Aydinl B, Alper F, Gumus H, Yildirgan MI, et al. Intussusception in Adults. Acta Chir Belg. 2006;106:409-12.

6. Pischke S, Karsten W, Hadem J, Schmidt S, Heiringhoff Heinz K, Helfritz F, et al. Liver transplantation: A new risk factor for intestinal intussusceptions. Ann Hepatol. 2011;10(1):38-42.

7. Guerra GMLSR, Souza HFS, Fonseca MFM, Codes LMG, Albuquerque IC, Formiga GJS. Intussuscepção colo-cólica exteriorizada pelo ânus secundária a lipoma. Relato de Caso. Rev Bras Coloproct. 2005;25(4):382-5.

8. Bromberg SH, Zampieri JC, Cavalcanti LAF, Waisberg J, Barreto E, de Godoy AC. Lipomas colorretais: correlação anatomoclínica de 29 casos. Rev Assoc Med Bras. 1997;43(4):319-25.

9. Taylor BA, Wolff BG. Colonic lipomas: report of two cases and review of the Mayo Clinic experience, 1976-1985. Dis Colon Rectum. 1987;30:888-93.

10. Rogers SO, Lee MC, Ashley SW. Giant colonic lipoma as lead point for intermittent colo-colonic intussusception. Surgery. 2002;131(6):687-8.

11. Marinis A, Yiallourou A, Samanides L, Dafnios N, Anastasopoulos G, Vassiliou I, et al. Intussusception of the bowel in adults: A review. World J Gastroenterol. 2009;15(4):407-11.

12. Croome KP, Colguhoun PHD. Intussusception in adults. Can J Surg. 2007;50(6):E13-14.