RMMG - Revista Médica de Minas Gerais

Volume: 24. (Suppl.3) DOI: http://www.dx.doi.org/10.5935/2238-3182.2014S009

Voltar ao Sumário

Editorial

Mensagem dos Coordenadores Revista Mineira de Anestesiologia

Luciana Laurentys; Marcel Andrade Souki

Coordenadores Revista Mineira de Anestesiologia

 

Nossa compreensão de coagulopatia no perioperatório, ferramentas de diagnóstico e abordagens terapêuticas tem evoluído nos últimos anos. São necessários esforços multidisciplinares para entender as combinações ideais, relação custo-eficácia e perfil de segurança de componentes alogênicos do complexo protrombínico1 e antifibrinolíticos.

A gestão da anticoagulação de qualquer doente crítico é problemática. Todos os agentes anticoagulantes podem causar sangramento e os pacientes são anticoagulados por um problema específico, que merece atenção especial.2

Esta primeitra edição de 2014 da Revista Mineira de Anestesiologia dá ênfase especial ao manejo dos pacientes em uso de medicações antitrombóticas, quando e como utilizar o arsenal terapêutico disponível, além da avaliação laboratorial complementar ou à beira da mesa de cirurgia.

O complexo protrombínico, assunto em todas as discussões sobre reversão da anticoagulação, é minuciosamente detalhado nesta edição, com as suas indicações precisas e as indicações por enquanto ainda "offlabel".

São apresentados, ainda, artigos que discutem o bloqueio do neuroeixo e suas complicações em pacientes em terapia antitrombótica.

A fisiologia da hemostasia e os aspectos práticos dos testes de coagulação realizados no laboratório, testes de coagulação viscoelásticos e outros efetuados à beira do leito no diagnóstico de coagulopatia perioperatória são perfeitamente detalhados no artigo escrito por Walkíria Vilas Boas e Gustavo de Oliveira.

Finalizando, no artigo sobre Reversão de Urgência da Anticoagulação, é apresentada bem detalhada uma tabela, seguindo as recomendações atuais, com as condutas a serem observadas ante um quadro ameaçador à integridade do paciente.

Temas variados e muito frequentes em centros cirúrgicos são expostos com o objetivo de orientar a nossa conduta frente a situações que podem trazer dúvidas. Anestesia em usuários de crack e cocaína, assim como o ambiente "látex free", é cada vez mais corriqueiro e muitas vezes não ganha a atenção merecida.

 

REFERÊNCIAS

1. Tanaka KA, Bader SO, Görlinger K. Novel approaches in management of perioperative coagulopathy. Curr Opin Anaesthesiol. 2014;27(1):72-80.

2. Levy JH. Role of coagulation factor concentrates for reversing dabigatran-related anticoagulation. Anesthesiology. 2014;120:1316-8.