RMMG - Revista Médica de Minas Gerais

Volume: 27. (Suppl.2)

 

Editorial

1 - Mensagem dos Coordenadores do Conselho Editorial da Revista Mineira de Anestesiologia

Marcel Andrade Souki; Tarcísio de Melo Nogueira

Rev Med Minas Gerais; 27.(Suppl.2):S1, , 2017

Artigo Original

2 - Estudo clínico randomizado que compara a eficácia entre a analgesia infiltrativa com ropivacaína e o uso endovenoso da nalbufina para controle da dor pós-operatória da colecistectomia videolaparoscópica

Randomized clinical trial comparing the efficacy of infiltrative analgesia with Ropivacaine and the intravenous use of Nalbuphine for postoperative pain management of laparoscopic cholecystectomy

Wanderson Penido da Costa; Thais Morato Menezes; Gláucio Gregori Nunes Bomfá; Rodrigo de Lima e Souza

Rev Med Minas Gerais; 27.(Suppl.2):S4-S10, , 2017

INTRODUÇÃO: a colecistectomia videolaparoscópica (CVL), apesar de ser técnica minimamente invasiva e associada a menor trauma cirúrgico, está ligada à dor intra-abdominal e incisional no pós-operatório.
OBJETIVOS: comparar a eficácia analgésica da infiltração dos portais cirúrgicos da CVL com a ropivacaína com a eficácia endovenosa (EV) da nalbufina e verificar a influência dessas intervenções sobre o consumo de analgésicos opioides.
METODOLOGIA: estudo prospectivo duplo-cego, randomizado, com 65 pacientes submetidos à CVL, divididos em três grupos: controle (C), infiltração anestésica (I) e nalbufina (N). Foi aplicada a Escala Visual e Analógica da Dor (EVA) logo após a extubação e com uma e seis horas após a extubação.
RESULTADOS: a dor relatada pelos pacientes do grupo I foi significativamente menor do que a descrita pelos demais grupos durante toda a avaliação. À extubação houve predomínio de dor leve em todos os grupos: 100% dos pacientes do grupo I, 66,6% (C) e 72,8% (N). Na avaliação de uma hora e seis horas houve predomínio de dor leve no grupo I (82,1% - 96,4%) e dor moderada nos grupos C (73,3% - 73,3%) e N (63,6% - 54,5%), respectivamente. Além disso, o percentual de pacientes do grupo I que solicitou analgesia complementar foi significativamente menor do que dos demais grupos.
CONCLUSÃO: constatou-se que a infiltração anestésica dos portais cirúrgicos da CVL é uma técnica simples, praticamente isenta de riscos e mais eficaz no controle da dor pós-operatória do que o uso da nalbufina EV, apresentando significativa redução no consumo de analgésicos opioides.

Palavras-chave Colecistectomia Laparoscópica; Dor Pós-Operatória; Analgesia; Anestésicos; Analgésicos; Nalbufina.

INTRODUCTION: Videolaparoscopic cholecystectomy (CVL), despite being a minimally invasive technique and associated with less surgical trauma, is associated with intra-abdominal and incisional pain in the postoperative period.
OBJECTIVES: To compare the analgesic efficacy of the infiltration of the surgical portals of CVL with Ropivacaine and the intravenous efficacy (EV) of Nalbuphine and to verify the influence of these interventions on the consumption of opioid analgesics.
METHODS: Prospective randomized double-blind study of 65 patients undergoing CVL, divided into three groups: control (C), anesthetic infiltration (I) and Nalbuphine (N). The Visual and Analog Pain Scale (EVA) was applied shortly after extubation and at one and six hours after extubation.
RESULTS: The pain reported by patients in group I was significantly lower than that reported by the other groups throughout the evaluation. At extubation there was a predominance of mild pain in all groups: 100% of patients in group I, 66.6% (C) and 72.8% (N). At the one-hour and six-hour evaluation, there was a predominance of mild pain in group I (82.1% - 96.4%) and moderate pain in groups C (73.3% - 73.3%) and N (63.6% % - 54.5%), respectively. In addition, the percentage of patients in group I who requested complementary analgesia was significantly lower than in the other groups.
CONCLUSION: It was verified that the anesthetic infiltration of the surgical portals of the CVL is a simple technique, practically risk-free and more effective in the control of postoperative pain than the use of Nalbuphine EV, presenting a significant reduction in the consumption of analgesics Opioids.

Keywords Cholecystectomy, Laparoscopic; Pain, Postoperative; Analgesia; Anesthetics; Analgesics; Nalbuphine.

Artigos de Revisão

3 - Avaliação cardiovascular perioperatória segundo as diretrizes da American College of Cardiology (ACC)/American Heart Association (AHA) e da European Society of Cardiology (ESC)/ European Society of Anaesthesiology (ESA)

Perioperative Cardiovascular Evaluation Based on the American College of Cardiology (ACC)/American Heart Association (AHA) and European Society of Cardiology (ESC)/European Society of Anaesthesiology (ESA) Guidelines 

Camilla Sá Menezes Passos; Mayuri Aoyama da Costa; Jonas Alves Santana

Rev Med Minas Gerais; 27.(Suppl.2):S11-S25, , 2017

INTRODUÇÃO: estima-se que sejam realizadas em todo o mundo cerca de 200 milhões de cirurgias não cardíacas em adultos a cada ano. Estatísticas recentes sugerem que em pelo menos 10 milhões algum evento cardiovascular adverso grave (ECAG) ocorra. Apesar do número de mortes relacionadas diretamente à anestesia ter reduzido na escala de 10 vezes nas últimas décadas (menos de 1/100.000), a mortalidade pós-operatória continua considerável: 1,5% dos adultos submetidos à cirurgia não cardíaca em regime de internação hospitalar irá a óbito nos primeiros 30 dias.
REVISÃO DA LITERATURA: foram utilizadas como base as diretrizes mais recentes da ACC/AHA e da ESC/ESA para avaliação cardiovascular perioperatória em pacientes submetidos à cirurgia não cardíaca, além das publicações de língua inglesa de 2014 em diante levantadas pela Pubmed com os termos "surgery"e "cardiac complications".
COMENTÁRIOS E CONCLUSÃO: os algoritmos de avaliação pré-operatória propostos pelas diretrizes servem como uma ferramenta de auxílio nas decisões terapêuticas e como forma de fornecer melhores informações aos pacientes sobre os riscos de ECAG. Os exames pré-operatórios, invasivos ou não, devem ser sempre limitados àquelas circunstâncias nas quais os resultados afetarão claramente o manejo do paciente. Espera-se que os biomarcadores sejam integrados aos algoritmos de estratificação de risco, melhorando a capacidade de predizer riscos e orientando novas condutas.

Palavras-chave Cuidados Críticos; Assistência Perioperatória; Cuidados Pós-Operatórios; Medição de Risco; Infarto do Miocárdio; Parada Cardíaca; Cirurgia Geral.

It is estimated that around 200 million non-cardiac surgeries are performed in adults each year worldwide. Recent statistics suggest that in at least 10 million some serious adverse cardiovascular event (ECAG) occurs. Although the number of deaths related directly to anesthesia has decreased on the ten-fold scale in the last decades (less than 1 / 100,000), postoperative mortality remains considerable: 1.5% of adults undergoing non-cardiac surgery in hospitalization Will die within the first 30 days.
LITERATURE REVIEW: The most recent ACC / AHA and ESC / ESA guidelines for perioperative cardiovascular assessment in patients undergoing non-cardiac surgery were used as a basis, in addition to the English-language publications from 2014 onward raised by Pubmed under the terms "Surgery "and" cardiac complications".
COMMENTS AND CONCLUSION: The preoperative evaluation algorithms proposed by the guidelines serve as a tool to aid in therapeutic decisions and as a way of providing better information to patients about the risks of ECAG. Preoperative examinations, whether invasive or not, should always be limited to those circumstances in which the results will clearly affect patient management. It is hoped in the future that biomarkers will be integrated into risk stratification algorithms, improving the ability to predict risk and guide new behaviors.

Keywords Critical Care; Perioperative Care; Postoperative Care; Risk Assessment; Myocardial Infarction; Heart Arrest; General Surgery.

4 - Avaliação pré-operatória em anestesia pediátrica

Preoperative evaluation in pediatric anesthesia

Maria Moreno Braga; Filipe Carneiro de Queiroz; Lorena Jrege Arantes; Paulo Ricardo Rabello de Macedo Costa; Roberto Araújo Ruzzi; Beatriz Lemos da Silva Mandim

Rev Med Minas Gerais; 27.(Suppl.2):S26-S37, , 2017

A consulta pré-operatória para anestesia pediátrica tem importância vital no processo de avaliação da condição clínica do paciente e visa definir os riscos e elegibilidade da anestesia e cirurgia, com informações essenciais para a tomada de decisões a partir de anamnese e exame físico. Estes visam complementar o planejamento da anestesia, bem como a necessidade de medicação pré-anestésica e preparo não farmacológico. É uma responsabilidade intransferível do anestesiologista e a partir dessa avaliação é possível definir o estado físico da criança, os riscos anestésico e cirúrgico, necessidade de solicitação de exames complementares, tratamento ou preparo especial, favorecendo o planejamento perioperatório, baseado no uso apropriado dos recursos hospitalares e programação das atividades cirúrgicas de acordo com as características clínicas do paciente.

Palavras-chave Anestesia; Pediatria; Cuidados Pré-Operatórios; Ansiedade; Jejum.

The pre-operative consultation for Pediatric Anesthesia has vital importance in assessment of patient's preoperative clinical condition and seeks to define risks and eligibility of anesthesia and surgery, with essential information to decision-making, regarding to anamnesis and physical examination, which aim to complement anesthesia planning, as well as the need for pharmacologic and non-pharmacological preoperative preparation. The responsibility of the anesthesiologist is non-transferable, and from this evaluation, it is possible to define the physical state of the child, anesthetic and surgical risks and the need to request preoperatively complementary examination, treatment or special preparation, favoring the perioperative planning, based on the appropriate use of hospital resources and programming surgical activities according to the clinical characteristics of the patient.

Keywords Anesthesia; Pediatry; Preoperative Care; Anxiety; Fasting.

5 - Comportamento negativo no pós-operatório imediato de anestesia pediátrica

Early postoperative negative behavior in pediatric anesthesia

Ana Flávia Vieira Leite; Raphael Rabelo de Mello Penholati; Pedro Henrique Pimentel Pardini; Mateus Musse Lima Sampaio; Alexandre Rodrigues Ferreira; Vinícius Caldeira Quintão

Rev Med Minas Gerais; 27.(Suppl.2):S38-S44, , 2017

O comportamento negativo no pós-operatório imediato (i-CNPO) é uma alteração do comportamento e/ou da cognição, que inclui o delirium no despertar, agitação no despertar e dor pós-operatória. Dependendo da forma como foi feito o diagnóstico, o i-CNPO pode ter incidência acima de 80%. O diagnóstico é clínico e baseado em escalas. Existem várias escalas para diagnóstico de delirium e agitação no despertar. A única validada é a Pediatric Anesthesia Emergence Delirum (PAED). Essa escala avalia cinco pontos, tais quais: contato com os olhos do cuidador, consciência do ambiente, se os atos da criança são propositais e os graus de consolabilidade e de agitação da criança. Os fatores de risco incluem: faixa etária pré-escolar, anestesia para cirurgias otorrinolaringológicas e anestesia com sevoflurano ou desflurano. A prevenção é muito bem indicada nessa complicação. Pode ser feita com midazolam (0,1 mg/kg) EV no fim da cirurgia; propofol (1-3 mg/kg) EV no fim da cirurgia; clonidina VO (4 mcg/kg) como medicação pré-anestésica; dexmedetomidina EV (0,2-1 mcg/kg) como medicação pré-anestésica ou no perioperatório; fentanil (1-2,5 mcg/kg) EV no perioperatório. Anestesia venosa total também é uma forma de prevenir delirium e agitação no despertar. Por ser uma complicação autolimitada, o tratamento somente será indicado se a criança estiver muito agitada e com risco de se autoinfligir ou de perda de acessos vasculares, drenos ou curativos. O tratamento inclui midazolam, propofol, fentanil ou dexmedetomidina nas mesmas doses.

Palavras-chave Delírio do Despertar; Anestesia; Criança; Medicação Pré-Anestésica; Período Pós-Operatório.

Early postoperative negative behavior (e-PONB) is a behavioral and/or cognition change that includes emergence delirium, emergence agitation and postoperative pain. The incidence may be up to 80%, depending on how the diagnosis was made. The diagnosis is clinical and based on scales. There are several scales for diagnosis of emergence delirium and agitation. The only validated is the PAED (Pediatric Anesthesia Emergence Delirium). This scale evaluates 5 points, such as: degree of contact with the caregiver's eyes, awareness of the environment, if the child's actions are intentional, degree of consolation and agitation of the child. Risk factores include: pre-school age, anesthesia for ear, nose and throat surgery, anesthesia with sevoflurane or desflurane. Prevention mesures are very well indicated in this complication and can be made with midazolam (0.1 mg/kg) i.v. at the end of surgery; propofol (1-3 mg/kg) i.v. at the end of surgery; clonidine v.o. (4 mcg/ kg) as preanesthetic medication; dexmedetomidine EV (0.2-1 mcg/kg) as preanesthetic medication or in the perioperative period; fentanyl (1-2.5 mcg/kg) in the perioperative period. Total intravenous anesthesia is also a preventive mesure for emergence delirium and agitation. Because it is a self-limited complication, the treatment is only indicated for a very agitated child with a risk of self-injuries and loss of vascular lines, drains or dressings. Treatment includes midazolam, propofol, fentanyl or dexmedetomidine at the same doses.

Keywords Emergency Delirium; Anesthesia; Child; Preanesthetic Medication; Postoperative Period.

6 - A consulta pré-anestésica e o manejo pré-operatório de pacientes com síndrome da apneia obstrutiva do sono

Pre-anesthetic consultation and the preoperative management of patients with obstructive sleep apnea syndrome

André Fernandes Botrel e Silva; Bruno de Oliveira Matos; Ivana Mares Trivellato; Joyce Romano; Sergio Ricardo Botrel e Silva; Vera Coelho Teixeira

Rev Med Minas Gerais; 27.(Suppl.2):S45-S51, , 2017

A síndrome da apneia obstrutiva do sono (SAOS) é uma desordem comum relacionada à respiração e sua prevalência varia entre 10 e 40% dos pacientes que se apresentam para cirurgias eletivas, sendo que nos pacientes candidatos à cirurgia bariátrica a prevalência pode chegar a 80%. No entanto, a SAOS ainda é subdiagnosticada e mais de 80% dos pacientes não sabem que são portadores da síndrome, estando, assim, sob risco aumentado no período perioperatório. É importante identificar esses pacientes na avaliação pré-anestésica, a fim de se tomar medidas apropriadas no tempo adequado e o anestesiologista tem papel importante nesse diagnóstico. Existem diversas ferramentas de rastreamento disponíveis, sendo o questionário STOP-BANG aquele que possui mais validação para uso em pacientes cirúrgicos. Composto de oito perguntas simples, o mesmo demonstra alta sensibilidade, quando usado o corte ≥3 pontos, indicando risco aumentado para SAOS. Existem outras opções com sensibilidade semelhante, porém menos práticas. A maioria dos pacientes com SAOS conhecida ou suspeita pode proceder à cirurgia semqualquer teste ou tratamento adicional. A cirurgia deve ser adiada apenas para aqueles cujo manejo ou desfecho perioperatório pode ser modificado por uma avaliação pré-operatória adicional e pelo tratamento. Durante o intraoperatório e pós-operatório, apesar da falta de trabalhos conclusivos, recomenda-se privilegiar técnicas anestésicas com via aérea segura e a anestesia regional, além de monitoração com oximetria e uso parcimonioso de opioides durante e após o procedimento. O objetivo da avaliação pré-operatória é reduzir o risco de eventos adversos em pacientes com SAOS confirmada ou suspeita que recebam sedação, analgesia ou anestesia para procedimentos diagnósticos ou terapêuticos sob os cuidados do anestesiologista.

Palavras-chave Apneia Obstrutiva do Sono; Anestesiologia; Cuidados Pré-Operatórios.

The obstructive sleep apnea (OSA) is a common disorder related to breathing and its prevalence varies between 10-40% of patients presenting for elective surgery and it can get to 80% in candidates for bariatric surgery. However, the OSA is still underdiagnosed and more than 80% of patients do not know they are carriers of it and are, thus, at increased risk in the perioperative period. It is important to identify these patients in the pre-anesthetic evaluation, in order to take appropriate action at the appropriate time and anesthesiologists have an important role in this diagnosis.There are several screening tools available and the STOP-BANG questionnaire is one that has further validation for use in surgical patients. Consists of eight simple questions, it shows a high sensitivity when used cutting ≥3 points, indicating increased risk for OSAS. There are other options with similar sensitivity, but less practical. Most patients with known or suspected OSA may perform the surgery without any additional tests or treatment. Surgery should be delayed only for those whose management or perioperative outcome may be modified by an additional preoperative evaluation and treatment. Intra and postoperatively, despite the lack of conclusive studies, it is recommended to prefer anesthetic techniques with safe airway and regional anesthesia, plus a oximetry monitoring and careful use of opioids during and after the procedure.The preoperative evaluation objective is to reduce the risk of adverse events in patients with or suspected OSAS receiving sedation, analgesia or anesthesia for diagnostic or therapeutic procedures under the anesthesiologist's care.

Keywords Sleep Apnea, Obstructive; Anesthesiology; Preoperative Care.

7 - Delirium pós-operatorio no idoso. Onde estamos?

Postoperative delirium in the elderly: Where are we?

Flora Margarida Barra Bisinotto; Luciano Alves Matias da Silveira; Renato Oliveira e Silva; Laura Bisinotto Martins

Rev Med Minas Gerais; 27.(Suppl.2):S52-S66, , 2017

Complicações neurológicas no período pós-operatório podem ser devastadoras para os pacientes e seus familiares. E, apesar da importância do sistema nervoso central, os anestesiologistas têm praticamente ignorado a sua função no período pré-operatório, já que todos os recursos são quase totalmente desviados para outros sistemas, principalmente o cardiovascular. Essa assertiva pretende realçar o fato de não existir um monitor padrão para o cérebro ou outras estruturas neurais durante a cirurgia e a anestesia, enquanto que monitores para os sistemas cardiovascular e respiratório têm sido utilizados rotineiramente por décadas. Em vista do aumento da longevidade da população, há maior número de pacientes idosos que estão sendo submetidos a procedimentos cirúrgicos, e eles representam o grupo de alto risco para o comprometimento cognitivo pós-operatório, em vista da existência aumentada de comorbidades. O impacto da anestesia nesses pacientes é pouco compreendido, mas o aparecimento do delirium pós-operatório é um problema sério, pois pode evoluir para deficiência cognitiva permanente e aumento da mortalidade. O objetivo desta revisão é familiarizar os anestesiologistas com a incidência, fatores de risco, diagnóstico, prevenção e tratamento do delirium pós-operatório, com a finalidade de chamar a atenção para a sua existência e englobar os mesmos em todas as áreas de cuidados, juntamente com psiquiatras, enfermagem e gestores hospitalares.

Palavras-chave Idoso; Anestesia; Delírio do Despertar; Periodo Pós-Operatório.

Neurologic complication in the post-operative period can be devastating for patients and their families. Despite the importance of the central nervous system, anesthesiologists have mostly ignored its function in the post-operative period since most resources are used in other systems, especially the cardiovascular system. This article intends to highlight the fact that there is not a standard for monitoring the brain or other neural structures during anesthesia and surgery, where as monitoring the cardiovascular and respiratory systems has been routinely used for decades. Due to the increased lifespan of the population, a larger number of elderly patients has undergone surgical procedures. These patients represent the group with the highest risk for post-operative cognitive impairment due to comorbidities. This article will familiarize anesthesiologists with the incidence, risk factors, diagnosis, prevention and treatment of post-operative delirium, with the goal of calling attention to their existence, and to inform all areas of care including psychiatrists, nurses and hospital administrators.

Keywords Aged; Anesthesia; Emergence Delirium; Postoperative Period.

8 - Hipertermia maligna: revisando aspectos importantes

Malignant hyperthermia: reviewing important aspects

Wanderson Penido da Costa; Thais Morato Menezes; Gláucio Gregori Nunes Bomfá; Rodrigo de Lima e Souza; Paulo Jacinto Morato Menezes; Lucas Rodrigues Motta

Rev Med Minas Gerais; 27.(Suppl.2):S67-S73, , 2017

A hipertermia maligna (HM) é uma doença farmacogenética rara, de caráter autossômico dominante, de baixa incidência, porém potencialmente fatal, desencadeada por exposição a agentes anestésicos inalatórios halogenados e/ou succinilcolina. Caracteriza-se por um quadro de hipermetabolismo do músculo estriado esquelético, por hipercalcemia intracelular, com destruição completa deste, associado ao aumento do consumo de oxigênio, hipertermia, alterações cardiovasculares, rigidez muscular, acidose metabólica, falência renal e morte, caso não seja realizado o tratamento específico com o dantrolene. O reconhecimento da crise é baseado nos sinais clínicos que autorizam o início do tratamento e o diagnóstico definitivo é realizado a partir do teste de contratura halotano/cafeína realizado no paciente e em seus familiares com o intuito de descobrir os suscetíveis e protegê-los de possíveis crises.

Palavras-chave Hipertermia Maligna; Rigidez Muscular; Succinilcolina; Rianodina; Farmacogenética.

Malignant hyperthermia (MH) is a rare, but potentially fatal, autosomal dominant pharmacogenetic disease, triggered by exposure to halogenated inhalational anesthetics and / or succinylcholine. It is characterized by a skeletal striated muscle hypermetabolism, with intracellular hypercalcemia, with complete destruction of it, associated with increased oxygen consumption, hyperthermia, cardiovascular alterations, muscular rigidity, metabolic acidosis, renal failure and death, if not performed specific treatment with dantrolene. The recognition of the crisis is based on the clinical signs that allow the beginning of the treatment and the definitive diagnosis is made from the halothane/caffeine contraction test performed on the patient and his relatives in order to discover the susceptible ones and protect them from possible crises.

Keywords Malignant Hyperthermia; Muscle Rigidity; Succinylcholine; Ryanodine; Pharmacogenetics.

9 - Lesão renal após anestesia: o que há de evidências

Renal injury after anesthesia: what is in evidence

Iuri Ferreira Lopes; Hugo Januário; Célio Gomes de Amorim; Roberto Araújo Ruzi; Beatriz Lemos da Silva Mandim

Rev Med Minas Gerais; 27.(Suppl.2):S74-S82, , 2017

A lesão renal aguda (LRA) perioperatória é responsável globalmente por grande número de mortes todos os anos, apesar de bastante conhecida, não possui diagnóstico preciso, o que contribui para aumentar a morbimortalidade, pois quando ocorre elevação da creatinina plasmática (CrP), horas ou dias após a cirurgia, essa já está associada à perda considerável da função glomerular. A avaliação do débito urinário durante a cirurgia, embora bastante utilizado, não garante o diagnóstico da mesma, mas permite observar a dissociação entre a filtração glomerular e a elevação da CrP, que ocorrerá tardiamente. No que se refere aos métodos para diagnóstico precoce, novas classificações, mais rigorosas, bem como exames laboratoriais que usam biomarcadores como a cistatina-C, têm sido utilizadas. Idade avançada, cirurgia de emergência, obesidade, hipotensão transoperatória e hipovolemia são condições associadas a elevado risco de lesão renal. O comprometimento da função renal pode ocorrer tanto pré, quanto intra ou pós-renal, como acontece quando há hipoperfusão tecidual, isquemia, contato com nefrotoxinas ou obstrução ao fluxo urinário, entre outras causas. A revisão atual objetiva abordar as questões relacionadas à LRA, no perioperatório, a partir da evidência científica mais recente, a ser aplicada no cotidiano do anestesiologista.

Palavras-chave Cirurgia; Anestesia; Lesão Renal Aguda; Assistência Perioperatória; Prática Clínica Baseada em Evidências.

Perioperative acute kidney injury (AKI) is globally responsible for a large number of deaths each year, although being a well known disease, it does not have a precise diagnosis, which contributes to increase morbidity and mortality, since plasma creatinine (PCr) increases, hours or days after surgery, it is already associated with a considerable loss on glomerular function. Evaluation of urinary output during surgery, although widely used, does not guarantee its diagnosis, but allows to observe the dissociation between glomerular filtration and the elevation of PCr, which will occur later. As methods of early diagnosis, new stricter classifications, as well as laboratory tests using biomarkers such as C-cysteine have been used. Advanced age, emergency surgery, obesity, transoperative hypotension and hypovolemia are conditions associated with a higher risk of renal damage. Impaired renal function may occur both pre- and intra- or post-renal, such as when there is tissue hypoperfusion, ischemia, nephrotoxins use or obstruction to the urinary flow, among other causes. The current review aims to address the issues related to AKI in the perioperative period, based on the latest scientific evidence to be applied in the anesthesiologist's daily life.

Keywords Surgery; Anesthesia; Acute Kidney Injury; Perioperative Care; Evidence-Based Practice.

10 - Manejo pré-operatório das medicações para tratamento do diabetes mellitus

Pre-operative management of medication for diabetes mellitus treatment

João Paulo Jordão Pontes; Ana Luíza Pereira Saramago; Mateus Meira Vasconcelos; Nubia Rodrigues Batista

Rev Med Minas Gerais; 27.(Suppl.2):S83-S91, , 2017

O diabetes mellitus (DM) é caracterizado pela alteração no metabolismo de carboidratos, cursando com hiperglicemia e aumento da morbimortalidade perioperatória. Cursa com alterações fisiológicas diversas e progressivas e, para o manejo anestésico, devem-se enfatizar os múltiplos sistemas e respectivas complicações possíveis. Anamnese, exame físico e exames complementares são importantes no manejo pré-operatório, com destaque para a hemoglobina glicosilada, que possui forte valor preditivo para complicações do diabetes e tem se tornado parâmetro consensual para autorização da cirurgia. O planejamento cirúrgico tem como objetivos a redução do tempo de jejum e manutenção da rotina normal do paciente. Pacientes portadores de DM tipo 1 necessitam, mesmo em jejum perioperatório, de fornecimento de insulina exógena para suprir as demandas fisiológicas e evitar cetoacidose. Já os pacientes portadores de DM tipo 2 são tratados com múltiplas drogas injetáveis e/ou orais e suscetíveis ao desenvolvimento de estado hiperosmolar hiperglicêmico. Assim sendo, o manejo dos hipoglicemiantes e dos diferentes tipos de insulina é fundamental, além da determinação do horário cirúrgico e, consequentemente, do número de refeições perdidas para adequação da dose ou suspensão dos medicamentos. As evidências atuais sugerem, quase unanimemente, o alvo de segurança cirúrgica da glicemia intra-hospitalar, sem, no entanto, concluírem se o mesmo deve ser obtido com controle glicêmico intensivo ou moderado.

Palavras-chave Diabetes Mellitus; Anestesia; Cuidados Pre-Operatórios; Hipoglicemiantes; Insulina; Hemoglobina A Glicosilada.

Diabetes mellitus (DM) is characterized by changes in carbohydrate metabolism, causing hyperglycemia and increased perioperative morbidity and mortality. It comes along with diverse and progressive physiological changes and for anesthetic management should be emphasized multiple systems and their possible complications. Anamnesis, physical examination and complementary exams are important in the preoperative management, especially Glycosylated Hemoglobin (HbA1c) measure that has a high predictive value for diabetes complications and has become consensual parameter to proceed with surgery. Surgical planning aims to reduce the period of fasting and maintenance of patient's normal routine. Type I DM patients need, even in perioperative fasting, exogenous supply of insulin to match physiological demand and avoid ketoacidosis. Type II DM patients are treated with multiple injectable and / or oral drugs, and are vulnerable to develop hyperosmolar hyperglycemic state. Thus, management of hypoglycemic agents and different types of insulin is essential, in addition to determining the time of surgery and therefore the number of missed meals to adjust the dose or suspending the diabetes drugs. Current evidence suggests, almost unanimously, the surgical safety target of in-hospital glucose, without, however, concluding whether it should be achieved with intensive or moderate glycemic control.

Keywords Diabetes Mellitus; Anesthesia; Preoperative Care; Hypoglycemic Agents; Insulin; Hemoglobin A, Glycosylated.

11 - Neuropatia pós-anestesia regional periférica: limitações da técnica ultrassonográfica

Post peripheral regional anesthesia neuropathy: the ultrasonography technical limitations

Carlos Marcelo de Barros; Anelise Silva França; Igor Belo Fernandes; Mariana Oliveira Ferreira

Rev Med Minas Gerais; 27.(Suppl.2):S92-S96, , 2017

O uso de ultrassonografia para guiar bloqueio nervoso periférico tornou-se popular a partir da crença de sua acentuada efetividade em relação à diminuição do tempo e da dor relacionada ao procedimento, bem como do volume anestésico necessário. Isso possibilita a visão direta das estruturas nervosas alvo e o espalhamento de anestésicos locais durante a injeção, resultando em mais conforto para o paciente devido à reduzida manipulação da agulha e garantindo duração mais prolongada da analgesia. Contudo, o sucesso da técnica depende substancialmente da tecnologia ecográfica, de dispositivos de aprimoramento da visualização da agulha e de sua ponta disponíveis na atualidade e da habilidade e experiência do operador. Está subordinada às variações anatômicas, composição corporal em faixas etárias distintas e distribuição de tecido adiposo. Portanto, mesmo com o avanço tecnológico e aperfeiçoamento do processo de bloqueio, ainda há significativo risco de injeção intraneural inadvertida, o que pode culminar em lesões neurológicas transitórias ou permanentes.

Palavras-chave Anestesia; Anestesia Local; Ultrassonografia; Bloqueio Nervoso; Neuropatia.

The use of Ultrasonography to guide peripheral nerve block has become more common based on the belief that it is more effective in reducing time and pain related to the procedure, as well as the anesthetic volume required, enabling direct vision of the target nerve structures and the local anesthetics spread during injection, resulting in greater patient comfort due to less needle manipulation and ensuring a longer duration of analgesia. However, the success of the technique depends substantially on the echographic technology, on currently available devices for improving the needle and tip visualization and on the skill and experience of the operator, as well as being subordinated to anatomical variations, body composition in distinct age groups and adipose tissue distribution. Therefore, even with the technological progress and blocking process enhancement, there is still a significant risk of inadvertent intraneural injection, which may lead to transient or permanent neurological lesions.

Keywords Anesthesia; Anesthesia, Local; Ultrasonography; Nerve Block; Neuropathy.

12 - Recorrência do câncer: anestesia é realmente vilã?

Cancer recurrence: is anesthesia truly guilty?

Mateus Moreira Antunes; Thales Cabral de Almeida Alves dos Reis; Monique Corrêa e Castro de Sá; Jaci Custódio Jorge

Rev Med Minas Gerais; 27.(Suppl.2):S97-S105, , 2017

O câncer é uma das principais causas de morbimortalidade em todo o mundo. Para significativa parcela dos portadores da doença, o tratamento cirúrgico constitui a maior esperança de cura ou aumento da sobrevida. Entretanto, o procedimento cirúrgico e o período perioperatório podem determinar alterações imunológicas que deixam o paciente oncológico vulnerável à recorrência tumoral local ou disseminação à distância de células neoplásicas metastáticas. A propagação da doença residual é um processo complexo que depende do balanço entre o potencial invasivo do tumor e a defesa imunológica do hospedeiro. Na presente revisão, analisaram-se os principais fatores perioperatórios com potencial de influenciar o sistema imune, investigando ainda sua associação com a recidiva tumoral em pacientes oncológicos.

Palavras-chave Neoplasias; Neoplasias/cirurgia; Metástase Neoplásica; Anestesia; Imunomodulação; Anestesia por Condução; Anestésicos Locais; Analgésicos Opioides; Anestesia Intravenosa; Transfusão de Sangue.

Cancer is one of the leading causes of morbidity and mortality worldwide. For a significant portion of patients with the disease, surgical treatment is the greatest hope for cure or survival. The surgical procedure and the perioperative period may, however, determine immunological changes that leave the cancer patient vulnerable to local tumor recurrence or distant dissemination of metastatic neoplastic cells. The spread of residual disease is a complex process that depends on the balance between the invasive potential of the tumor and the immune defense of the host. In the present review, we analyzed the main perioperative factors with potential to influence the immune system and investigated its association with tumor recurrence in cancer patients.

Keywords Neoplasms; Neoplasms/surgery; Neoplasm Metastasis; Anesthesia; Immunomodulation; Anesthesia, Conduction; Anesthetics, Local; Analgesics, Opioid; Anesthesia, Intravenous; Blood Transfusion.